Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Pré Simpósio Porto 2018


A data do evento mais esperado do ano aproximava-se e duas semanas antes recebo a notícia que o Comité de Educação escolheu a minha proposta de workshop para substituir a Virginia Hein que infelizmente não podia vir até ao nosso país. Apesar do infortúnio, não pude deixar de estar em êxtase  e ao mesmo tempo pensar nos pobres desgraçados que iam deixar de  ter a "fofura" e "doçura" da Virginia para ficarem com o "homem rude do campo" que sou eu... Ainda assim, devorei a proposta de workshop da Virginia e adaptei a minha oficina ao máximo para não desapontar ninguém. Com o mote "Minimal colour: Maximum Punch" comecei a ensaiar estas propostas no caderno tal como se estivesse a fazer o workshop da Virginia e nasce assim o renovado "Frame your Sketch" que iria levar até ao Porto...


Entretanto, o meu amigo de Curitiba, o Simon Taylor chega a Lisboa antes de rumar ao Norte e tivemos oportunidade de por a conversa em dia e de recordar com saudades os nossos dias no Brasil em Araraquara. No final do almoço, um sketch rápido porque uma refeição de "desenhistas urbanos" não pode acabar sem a devida sobremesa. 


E na manhã de 5a feira, já com um dia de atraso devido a compromissos profissionais, lá fui eu e o meu nervoso miudinho até à Gare do Oriente para apanhar o Alfa Pendular das 10h para a Campanhã. O meu Simpósio começara desta forma. O melhor, estava a 300km de distância e 3h de viagem...