Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

domingo, 21 de janeiro de 2018

Jogo da Bola

Se formos à Ericeira e perguntarmos pelo Largo da Princesa Dona Amélia poucos saberão onde fica. Poderemos tentar Praça da Republica e talvez tenhamos um pouco mais de sorte. Mas se perguntarmos pela Praça do Jogo da Bola toda gente sabe onde fica. Este é o nome mais antigo da praça central da Ericeira e conseguiu resistir às toponímias da Monarquia e da República. O nome provem de um antigo jogo em que se atirava uma bola pequena para tentar derrubar um conjunto de palitos dentro de um quadrado, uma mistura de petanca com chinquilho (o jogo da ferradura).
Hoje estava tudo calmo mas já assisti aqui a um concerto do António Zambujo em que me senti sardinha em lata.

1 comentário:

hfm disse...

Sobre este largo muito haveria a contar. Era nele que paravam as camionetas do Sardinha e do Gaspar e era nelas que chegavam os jornais. O Turismo ficava numa bela moradia de janelas e portas verdes de grades cruzadas e era dos poucos sítios com telefone.
Desenhaste o velho café central e a casa ao lado já foi tanta coisa que seria impossível lembrar tudo o que ali se passou. A Farmácia Caré já mudou de local apesar de ter ficado no largo, era um dos emblemáticos lugares da Praça. Acrescento ainda o "pregoeiro" figura típica da terra que terminou a sua actividade era eu pequena - "Avisa-se o povo desta vila que...".

Este desenho daria para falar muito da velhinha Ericeira de jagozes e fidalgotes que hoje está cheia dos surfistas com muitos AL e casas próprios para os ditos "surfistas". É o progresso.

O que um desenho pode fazer recordar, obrigada, António.