Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Chicago (ainda o) dia 6

"- Quando fores a meio da passadeira olha para trás, para vermos se já levas os olhos vermelhos!"
Regressávamos do Riverwalk, e esta foi a última coisa que disse à Rita Catita, depois da despedida no cruzamento da State com a Monroe, passava meia hora depois das onze da manhã. Numa cena totalmente cinematográfica, abrandou a meio da passadeira e olhou para trás, de olhos a brilhar, carregados de saudades dos dias que passámos juntos em Chicago. A Rita foi uma fantástica companheira estes dias, disse-lhe que tinha a certeza que esta viagem e experiência a ia marcar para sempre e aposto que acertei.


Depois do almoço fomos ao The Art Instute of Chicago, anunciado à entrada como um dos melhores museus do mundo. Para além de uma exposição de Gauguin "Artist as alquimist", vimos também a exposição de fotografia da portuguesa Helena Almeida, os desenhos do Saul Steinberg, de quem não resisti a comprar o livro, Andy Warhol e o tal quadro do Eduard Hopper - Nighthawks, uma coisa extraordinária pendurada naquela parede branca. Ufff...


8 comentários:

Pedro disse...

Uma semana de virar a cabeça!

Maria Leonor Janeiro disse...

Fantástico , ver um Hopper é um luxo para os olhos
Leonor Janeiro

Pedro Ribeiro disse...

Que inveja! Mas boa...!
Obrigado a todos pela excelente representação, estou muito orgulhoso, acompanhei tudo muito de perto em live streaming (sempre que possível) e estou muito vaidoso da representação Tuga!
Obrigado mneus profs!

Rita Catita Afonso disse...

Não sei como é que o Woody Allen ainda não fez um filme sobre os Urban Sketchers. Já estou a ver o enredo. Fizeram-me parar no meio da passadeira, capaz de mudar o sinal e eu ser cilindrada por um Mustang. O último dia foi mesmo difícil... Eu aguento.

Bruno Vieira disse...

Que bela descrição... Um filme em cada momento. E que artistas naquelas paredes... Maravilha

Mário Linhares disse...

Só lá fui no dia 3, quinta feira, assim que tive tempo.
Entrei às 10h30 e saí às 17h30 sem almoçar.
Que museu fabuloso!!!

Procópio António disse...

Temos de nos reunir para ouvir essas e outras histórias ao vivo.

José Louro disse...

snniiffff (lágrimas) - foi de filme, mesmo :)