Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sábado, 3 de junho de 2017

Pastéis de nata e pessoas


Os pastéis de Belém sabem mesmo bem acabadinhos de sair do forno, e apesar de estar sempre cheio de gente vale bem a pena esperar por uma mesa e comê-los mesmo ali.
O lugar é especial, e a sua proximidade com o rio dá-lhe aquela luz muito clara de Lisboa, que em Belém é esplêndida.
Depois de fazer o desenho, senti que o devia mostrar à família que está na imagem, e a senhora, que falava em francês, disse que eram "Ferreira" por parte do marido (ele tinha-se ausentado da mesa nesse momento), mas que não falavam português.
Ainda que a maior parte das vezes não fale com as pessoas que desenho, sabe bem de vez em quando  descobrir um pouco mais sobre quem são, mesmo que apenas um pequeno detalhe.
Porque no fundo todos somos como os pastéis de Belém, poucos sabem o segredo do que nos faz ser tão especiais.

8 comentários:

André Duarte Baptista disse...

gosto tanto destes teus desenhos. parabéns

Marcelo de Deus disse...

Gosto

teresa ruivo disse...

Uau! Adoro!

Bruno Vieira disse...

Gostei da reflexão final. O desenho dinamico mostra bem a atmosfera, energico e saboroso

Alexandra Baptista disse...

Tão bom, gosto muito!

Rosário disse...

Também gosto muito!

Pedro Alves disse...

Óptimo! Muito expressivo ;)

Isabel Alegria disse...

Que bom incentivo é publicar aqui, ouvindo as vossas opiniões. Obrigada!