Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Minde e a exposição no Museu da Aguarela Roque Gameiro

Antes que a exposição de Minde acabe, publico os meus desenhos feitos no dia da inauguração no passado dia 18 de Março.

A exposição foi o culminar de um processo fantástico. Pela adesão e pelos resultados. A variedade imensa de registos dos locais de Lisboa que o Mestre Mingança desenhou há quase 100 anos, vistos agora pelos nossos olhos, constitui uma riquíssima colecção da qual se mostra agora um aperitivo em Minde, mas que terá outros voos.

No entanto tinha que começar em Minde, terra de nascimento de Roque Gameiro. A Classe da Borra Regatinhada de Mestre Mingança (Museu da Aguarela Roque Gameiro), na pessoa da sua directora Maria Alzira Roque Gameiro, recebeu-nos tão amavelmente, abrindo-nos o Museu, o Atelier de Tecelagem das mantas de Minde e organizando um programa cultural relacionado com o Conservatório de Música, de que a actuação do Charales Chorus foi um exemplo. Todas estas valências são testemunho do impressionante trabalho que o CAORG - Centro de Artes e Ofícios Roque Gameiro tem feito em Minde e arredores onde conta já com 8 pólos na região (CLICAR).

A par desta dinâmica cultural, é relevante destacar o papel do CAORG na preservação e divulgação do "minderico", um linguajar que teve origem nos feirantes das mantas de Minde, Afinal mais um atractivo que justifica em pleno uma visita a Minde para os que não puderam vir à inauguração e mesmo o regresso dos que vieram.