Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sábado, 29 de abril de 2017

Finlàndia V - Mar Báltico

Em Porkkala, há trilhos que vão dar ao mar. E depois de um almoço ao ar livre, nada melhor que saltar de pedra em pedra, praia após praia. São enseadas sem fim, onde a linha do horizonte é quase sempre interrompida por ilhas de floresta. A aspereza do granito, e até a temperatura gélida, são facilmente esquecidas nesta paisagem tão agradável.


A Finlândia parece ser isso mesmo: um maciço de granito, que até há 10 000 anos estava coberto de glaciares. A erosão do gelo, que entretanto desapareceu, escavou as depressões que a água hoje cobre. São quase 190 000 lagos e praticamente o mesmo número de ilhas que a população pode usufruir livremente. 


O impacto do Homem nota-se até nesta paisagem aparentemente natural: as poças junto à rebentação das ondas estão turvas. Há algas que apodrecem mesmo nesta temperatura escassamente positiva: é o mar Báltico que está doente. Espero que, no futuro, outras gerações possam ver esta água límpida outra vez!

2 comentários:

Miú disse...

Gosto muito da dimensão da natureza nestes desenhos, que quase minimiza, e com razão, a das pessoas.

USKP disse...

É de facto uma escala imponente, porque as ilhas preenchem o mar quase até ao horizonte. Mas cada ilha parece ser pequena, cabe lá uma casa se tanto, e umas árvores que lembram bonsais.

Tomás Reis