Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sábado, 4 de março de 2017

Almourol II


A canoa fez-se à água no cais da aldeia de Arripiado. Aquelas casas brancas, dignas de um presépio, parecem desafiar a aldeia vizinha de Tancos, no outro lado do rio. Foram rivais durante séculos e conservam património único, das igrejas, às casas senhoriais. O muro do cais de Tancos é feito de grandes blocos de pedra e data do rei D. Manuel. É tão sólido que sobreviveu até aos nossos dias, depois de muitos anos de cheias do poderoso rio Tejo.

2 comentários:

Rosário disse...

Que bonito!

Miú disse...

Também gosto muito destes risquinhos a pairar sobre a linha da água!