Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Arte ao Centro Portugal - Brasil

Entre os dias 18 e 28 de maio estive no Brasil, no âmbito do arte ao Centro Portugal - Brasil, uma parceria entre o Município de Torres Vedras e a Prefeitura de Araraquara. A curadoria do evento do Brasil, ficou uma vez mais a cargo do artista plástico Lauro Monteiro, que tem feito um trabalho extraordinário no intercâmbio entre desenhadores e artistas portugueses e brasileiros.


Para além de mim, a comitiva portuguesa contou com a participação do Dr. Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, a Dra. Ana Umbelino, Vereadora da Cultura, Pedro Alves (ilustrador), António Bartolo (aguarelista), Olga Neves (ilustradora) e Cátia Candeias (produtora cultural).

Este evento contou com um conjunto de workshops, encontro internacional de desenho de rua, exposições, palestras sobre património e regeneração urbana, produção cultural, desenho e cinema de animação. 

Para a viagem levei um caderno produzido pela Marilisa. Para casa trouxe dois cadernos cheios de momentos únicos, onde captei lugares e pessoas que jamais esquecerei.


Para além de Araraquara, passei por São Carlos (Fazenda Conde do Pinhal) e Ribeirão Preto, onde orientei um conjunto de workshops sobre educação patrimonial através do desenho.



Choperia Pinguim, em Ribeirão Preto, num Drink and Draw.

Pinguim é uma das choperias mais antigas do Brasil, servindo o chope da Antárctica.
O nome do estabelecimento resulta da instalação da choperia numa antiga casa de snooker, o Snooker Pinguim.


Um dos exercícios junto à Casa da memória italiana. Desenho feito para explicar os objetivos.

O último desenho feito no Brasil, na companhia do Pedro Alves.


Na bagagem trazemos uma experiência incomparável. A única mágoa que trago é ver o Brasil como está, numa crise económica profunda, onde os cidadãos já não acreditam no futuro, não acreditam na democracia. Nem a fé e a boa disposição conseguem disfarçar o momento de tensão que se vive. Fico a torcer por melhores dias para este povo que merece tudo de bom.

Nos próximos dias partilharei por ordem cronológica os desenhos produzidos.

Mais informações sobre o evento aqui

7 comentários:

Rosário disse...

Que viagem cheia de coisas boas! Parabéns!

Ana Crispim disse...

Deve ter sido muito bom!!!

Eduardo Salavisa disse...

Grandes experiências André!

Celeste Vaz Ferreira disse...

Que viagem fantástica deve ter sido!

hfm disse...

Que reportagem, meu amigo. Um abraço.

teresa ruivo disse...

Que bom André! Parabéns!!

André Duarte Baptista disse...

Obrigado pelas vossas palavras, foi de facto uma experiência inesquecível