Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Saudades (a caminho do Largo do Menino de Deus)

A rua de São Tomé que ladeia o Largo do Menino de Deus (desenhado pelo Roque Gameiro) trás-me recordações de infância: os meus avós moravam num 1º andar , no Beco do Salvador, cuja varanda, virada para a rua do Salvador, acabei por pintar a amarelo dourado neste desenho. Foram, sem dúvida, também dourados esses tempos em que, a essa varanda, via os eléctricos passar como passam ainda hoje!

2 comentários:

Miú disse...

Nada como um lugar que amamos para merecer um desenho! Gostei, Fefa.

Ana Carvalho disse...

Lisboa tem ainda mais encanto na hora das recordações... e o teu pincel carregado de saudade deixou-te aqui uma bela aguarela! a estrada de paralelipípedos está muito bem apanhada!!