Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Lisboa Antiga XVIII


O inicio da Rua do Século, feitos por mim e em baixo o Original de Roque Gameiro. A principal diferença entre a vida Lisboeta de outrora e a actual está bem patente nesta comparação.


Para fazer este desenho com o mesmo ponto de vista, teríamos de desenhar do meio da rua, uma impossibilidade às 13:20 numa 2ª Feira no Bairro Alto uma vez que o passar de carros é uma constante e seria estranho (mas bom) se tal não acontecesse. Assim a minha perspectiva ficou bem mais aberta onde se perdeu um pouco o enquadramento clássico da rua, porque o edificado, salvo um ou outro edifício mais recente, continua fiel aos tempos de outrora...

5 comentários:

jeanne disse...

maravilhoso! a zebra parece pairar como roupa a secar!

Maria Celeste disse...

...e a luz do Tejo lá continua imutável a brilhar ao fundo...

Suzana disse...

Que coisa bonita! E aquela luz lá ao fundo...

Pedro Loureiro disse...

Uma bela chuvinha, umas belas sandes de panado, e um belo desenho como resultado!

Patricia Ferreira disse...

Que desenhos lindos! Gosto imenso deles!