Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Calçada de S. Lourenço (vista do Largo dos Trigueiros)


                                                                           (algumas reflexões aqui)

6 comentários:

Mário Linhares disse...

Wow... já não bebo ao ponto de ver assim há algum tempo, mas a sensação é a mesma!! :)

Rodrigo Briote disse...

A respeito das tuas reflexões, este fim-de-semana também estive a desenhar nessa zona (no Beco do Castelo, quase nos encontrámos) e os nossos desenhos são completamente diferentes.
Isso quer dizer que vemos de forma diferente, porque a paisagem é a mesma. Não há volta a dar, é assumir a diferença como estás a fazer.

teresa ruivo disse...

Ó Mário, não me difames :))
Rodrigo, e onde se vê o teu desenho?

Monia Abreu disse...

Uau!!!! Que desenho fantástico Teresa! Genial!

nelson paciencia disse...

Este desenho é simplesmente desconcertante!
É quase como olhar para o sol directamente, só o podemos fazer por umas fracções de segundo senão cegamos, aqui é mais ou menos igual, se ficamos muito tempo a olhar, ficamos raivosos de inveja e a espumar da boca, e logo a seguir um bocadinho agoniados com as paredes a mexerem-se...
Atingiste uma nova dimensão nos teus desenhos, e vai ser um problema para saires daí...
E a gente agradece.

Sofia Gomes disse...

Só tu para veres e desenhares este recanto desta forma! Ficou incrível!