Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

O meu (A)Riscar o Património

No sábado respectivo do (A)Riscar o Património estive em Évora, e com a manhã ocupada. Mas felizmente ainda consegui juntar-me aos Évora Sketchers (e mais alguns penduras como eu) e aproveitar a oportunidade única de conhecer de perto os Bonecos de Santo Aleixo, património de excepção.

Há 30 anos que os Bonecos estão nas mãos do Cendrev (Centro Dramático de Évora), que os recebeu do Mestre Talhinhas, e que agora se encarrega de reproduzir fielmente o reportório destas marionetas, conforme nos transmitiu José Russo, director daquela companhia de teatro.

Tivemos o privilégio de nos ser montado de propósito o palco dos Bonecos, no lindíssimo Salão Nobre do Teatro Garcia de Resende. A mim atraiu-me desenhar as costas do palco e assim dar conhecer os bastidores e o modo de manipulação das marionetas, os cenários, etc. Desenhei ainda alguns dos bonecos originais de Mestre Talhinhas (a Noiva, o Sol, Deus, e a Eva) numa sala própria, onde se acumulam umas boas dezenas deles.

(foi desenhado em A4 panorâmico - clicar para ver no tamanho maior)

2 comentários:

teresa ruivo disse...

Estão muito giras , estas páginas. Ao vivo ainda mais.( Realmente os cadernos grandes facilitam as composições, mas os desenhos perdem quando são digitalizados)

L.Frasco disse...

Obrigado, Teresa.
Mas tens razão: os desenhos no ecran perdem sempre a sua escala. Ainda mais no telemóvel.