Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Caderno de Viagem Brasil 2018 - dia IX

26.06.2018 Último dia na Fazenda do Pinhal
 
Foi dia de encontro de desenho na Fazenda. Com aquele sentimento que tinha ficado tanta coisa por desenhar, madruguei, mas o calor levou-me para o interior da casa. Ainda bem, pois ainda não lhe tinha dedicado o tempo merecido.
 
O primeiro desenho foi o da Capela integrada na casa. Junto à capela ficam as alcovas, o local onde dormiam os bandeirantes.
 
 
 
Passei para a cozinha, atraído pelo aroma que já se fazia sentir - estavam a preparar a receção aos participantes do encontro. Ainda no interior, tinha que desenhar a melhor sala de refeições que já vi. Para além da beleza do espaço interior, destaco o enquadramento deste grande vão aberto para o pomar, onde se veem os raios de sol a penetrar por entre a copa das árvores, onde se vêm os macacos e os tucanos, tudo isto ao som da água que corre pelas canaletas. 
 
 
O meu último desenho na Fazenda, durante o encontro. Depois de recebermos os participante e de lançarmos o desafio, ainda houve tempo para registar este "cantinho" - o local onde termina a canaleta adaptada a pedido da condessa - introdução de degraus que tinha objetivos terapêuticos. Todos os dias a condessa caminhava por estas canaletas com degraus, por onde corre água fresca - ideal para garantir um melhor sistema circulatório do sangue e combater a artrite. Dizem que foi este o segredo da longevidade da condessa - faleceu com 103 anos.
 
Escusado será dizer que este desenho foi feito com os pés bem molhados, depois de experimentar o sistema na primeira pessoa. Se chegar até aos 100 anos, já sabem a razão...
 
 
 
E assim me despeço de um local fascinante, pela beleza natural e dos edifícios, mas sobretudo pelas pessoas que me receberam tão bem. Obrigado por terem aberto esta exceção de abrir as portas a um estranho…

1 comentário:

Rosário disse...

Parabéns pela viagem! Esperamos a próxima!