Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

terça-feira, 20 de março de 2018

Alunos de Apolo

Ontem fui aos Alunos de Apolo. Não sei bem o que vos diga, porque teve tanto de difícil como de divertido.
Cheguei um pouco mais cedo, para deixar entranhar o ambiente incrivelmente insólito, onde a música e a dança se cruzam inexoravelmente com o envelhecimento dos corpos e a fuga à solidão.
O pior foi começar. Escolher o que desenhar, como desenhar e com que desenhar. 
Os alunos começam por  treinar sózinhos: homens para um lado, mulheres para outro. Durante uns momentos assistimos assim a um baile imaginário, em que cada um rodopia no ar imaginando estar a dançar com o seu par. Foi uma boa altura para observar movimentos e posições assim, às apalpadelas, usando tudo o que tinha à mão e praticamente sem ver o resultado. Enchi páginas e páginas do meu caderno (a que vos poupo:) !


Depois os alunos escolhem um par e começam a dançar.
Aqui a coisa complica-se: o par que escolhemos para desenhar logo desaparece no fundo da sala, é tapado por outros a quem sucessivamente acontece o mesmo. Vemos uma mão aqui, um braço ali, vemos, deixamos de ver, mão em cima, mão em baixo...e as pernas, sempre a mexer!


Faço um esforço por me focar nalguns pares. Tento estar menos inquieta. Percebo que vão, mas voltam. Está na hora de pegar na caneta, e tentar algo mais preciso, ainda que quase cego.
Ficou assim:


Tenho que voltar. Obrigada Rosário.

7 comentários:

L.Frasco disse...

Fantástico, Teresa! A tua escrita parece uma dança. Rodopia. Li como se fosse a "Valse á Mille Temps" do Brel.
E os desenhos premiaram a tua persistência, à procura dos braços e pernas dos pares que fogem.

André Duarte Baptista disse...

adoro as tuas pessoas. fantástico Teresa

Eduardo Salavisa disse...

Depois de muita observação conseguiste apanhar as melhores posições. Os últimos estão muito bem apanhados.

Rodrigo Briote disse...

Imagino a dificuldade, mas acabaste por sair de lá com uns bons desenhos

jeanne disse...

vivos!

Procópio António disse...

Super mesmo!!!!!

Rosário disse...

Estão fantásticos! Obrigada!