Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Xaile

Este desenho conta duas histórias.
 A primeira diz respeito à peça sobre a qual está estampado o padrão, e que é um xaile. Esta palavra deriva de " xale" que tem origem na Ásia Central. Em Kashgar(actualmente na China)esta palavra significava peça de tecido para envolver no corpo.
A segunda história é o padrão chamado "paislay"(parece uma folha curvada) que talvez se possa traduzir por cornucópia. Este padrão tem origem no Afeganistão e foi difundido até Cashemira ,Índia,
no Século XVIII. Daí estendeu-se por toda a Ásia e Médio Oriente chegando a Inglaterra que o reproduziu amplamente. Nós conhecemos esse motivo nos tecidos das gravatas.
Este desenho foi feito a partir de um Xaile de seda estampada adquirido na Índia, Cashemira,
Leonor Janeiro

5 comentários:

Membro USK disse...


Interessantíssima explicação da história deste padrão!E um belo desenho, como sempre.

Fefa

Pedro disse...

Estou aprendendo!

Ana Carvalho disse...

Olhamos... apreciamos... e compreendemos! Repartes connosco, falando-nos à sensibilidade e à inteligência, e é assim que gosto!

Maria Helena Delgado disse...

Excelente descrição, plena de cor. Quero ver esse xale!

Ana Resende disse...


Bonito desenho!!!
Gostei também da explicação. Ásia Central e Rota da Seda sempre à vista...

Ana Resende