Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Jazz "anárquico" cego


Para chegar a esta dupla página rabisquei outras cinco... Parece impossível, mas foi desenhado com técnica de desenho-cego ou quase. Até porque a sala do concerto, na SMUP (Parede), estava muito escura e não permitiu desenhar de outra forma. Acho que consegui isto, porque tentei desenhar muito devagar para não incomodar os meus vizinhos do lado...

Os Albert Cirera Cròniques 5et. deram um concerto desconcertantemente “anárquico” (*). Não gostei deste jazz, mas adorei a experiência. Foi incrível! Para saberem mais visitem ACOLÁ.

Só descobri no final que não era a única a desenhar! :)



(*) "Anárquico" é uma palavra que a Vanda Dias me revelou para classificar este tipo de Jazz, que parece ser isso mesmo… ;-)

1 comentário:

João Santos disse...

Quanto ao jazz não sei, mas as figuras ficaram fantásticas!