Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Viana do Castelo II



Depois da manhã de sucesso que descrevi no post anterior, a tarde foi de calmaria e de conversa. Juntei-me a um grupo de desenhadores e lá fui eu, deambulando pelo centro histórico da cidade, dando conselhos, discutindo técnicas de desenho e dando mini-workshops por todos os desenhadores que ia encontrando. Em qualquer encontro de desenho eu sou o ermita que se esconde atrás do caderno e só pára na partilha final, aqui inverti os papeis e tive quase sempre na conversa. 


Passado um pouco fui ter com o Marcelo e mais um workshop: Como desenhar pessoas em contexto urbano. Depois desta mini palestra, resolvi fazer mais um esquisso (o da esquerda) na companhia do nosso anfitrião enquanto explicava como o fazia e porque o fazia. 


Antes da partilha final na Casa Manuel Espergueira (que não desenhei com grande pena), fomos até ao famoso Natário, não para as típicas Bolas de Berlim mas para um folhadinho de Pato condimentado com Caril e uma taça de Vinho Verde, enquanto ia explicando como desenhava as pessoas em contexto de café e almoços.  Terminei, já depois de jantar num bar, o Porta 93, junto à Praça da Erva que rabisquei ali em cima só com pincel. 

Em suma, foi um encontro glorioso onde fomos super bem recebidos, como há muito já não acontecia em encontros que participo. Espero ansiosamente pelo próximo encontro em Viana.  Este soube mesmo bem... Até soube a Pato ;)  

5 comentários:

Pedro Loureiro disse...

Mais três buchas e mais uma lição de desenho e aguarela! Tufas!

Marcelo de Deus disse...

Desenhos preciosos e palavras certeiras a condizer.
O Prazer tb foi meu.

André Duarte Baptista disse...

c'um catano. fantástico

Lurdes Morais disse...

Beeeem, os adjectivos começam a esgotar-se... Uma luz soberba em todos. E as transparências, os brilhos líquidos e os reflexos no Pholhadinho de Pato, são uma regalo!

USKP disse...

Deve ter sido muito interessante este dia de sketcher...e o resultado também o é!

Fefa