Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 20 de junho de 2017

O quebra cabeças da arquitectura do MAAT

Tudo (mesmo tudo),  na arquitectura do MAAT, constitui um desafio para os sketchers: os ângulos, os redondos, as sombras, os reflexos, as escadas desencontradas...
De cada vez que lá vou, descubro novos ângulos; acho que irei ainda traçar outras vistas... esta é uma das mais tradicionais, que serve de primeiro exercício. 

3 comentários:

Maria Leonor Janeiro disse...

Custou mas foi, as escadas lá ficaram a rir-se para nós.

Leonor Janeiro

Ana Carvalho disse...

Está giro! E o pormenor da carrinha dos gelados... o dia estava quente!

Isabel Rodrigues disse...

Fernanda a sua representação está muito bem com o padrão de descobrimentos em fundo e a lanchonete em primeiro plano, a rir-se para o MAAT