Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Desenhar em Santarém

 
O inicio dos desenhos neste dia 25 de Junho começou bem cedo ainda a caminho do local do encontro, dentro do carro da Sofia que nos conduziu até lá. Ela ia falando com o Bruno, e o seu filho Duarte ainda meio ensonado e em modo pequeno-almoço ia seguindo o caminho e o desenho com atenção. Num instante chegámos a Santarém e depois de uma introdução para uma plateia bem composta, chegou o momento de desenhar a cidade.

Eu tinha estado por lá há bem pouco tempo e ainda conservava memórias bem frescas da cidade, pelo que aproveitei o encontro para fazer os desenhos que gostaria de ter feito há uns meses atrás. Eu e o Bruno fomos até ao Jardim das Portas do Sol onde pude desenhar a vista oposta a que já tinha feito antes, desta vez a vista a montante do Tejo com a sua ponte antiga que se estendia sobre a Lezíria infindável... Entre conversa, desenho e pintura, a manhã passou num ápice..


...e chegou a hora de almoço, que devido ao elevado número de participantes mais parecia um banquete de casamento. Fiquei ao lado do Augusto e sua esposa e do Bruno, num divertido repasto onde falámos de pintura, desenho e como fazer bons pratos de carne e peixe para os amigos. Depois da comida boa e do vinho, sobretudo do vinho, já não havia grande vontade para fazer o que quer que fosse, a não ser dormir uma sesta.


Mas estávamos lá para desenhar e assim foi. Fui até a Igreja da Graça que me tinha despertado a atenção da última vez que lá tive e não pude desenhar. Desta feita não escapou. Entre sol intermitente e chuva, lá consegui fazer o desenho de uma complicada mas muito bonita igreja Gótica, acompanhado pelo Pedro Álvares Cabral e pelo Bruno que o "caçou" no desenho dele . Depois disto ainda consegui fazer um mini workshop/demo para a Cintia Kou (de Macau a residir em Portugal há um ano ) que surpreendentemente fez a viagem até lá para desenhar connosco.


E para a prova futura que estivemos mesmo lá, o Augusto, eu e o Bruno, fomos tirar a foto junto do carro de exteriores da RTP de 1957 que mesmo assim não conseguiu roubar o protagonismo aos mais de 60 sketchers que tomaram Santarém de assalto neste Domingo bem passado. Obrigado aos meus colegas de viagem e à Sofia por nos ter levado até lá ;) Um grande obrigado aos Ribatejo Sketchers, à Ana Barbosa e o João André que tornaram isto possível. Foi um mega encontro, foi fantástico e quem não foi, não sabe o que perdeu.

6 comentários:

André Duarte Baptista disse...

que belo post

Isa Silva disse...

uau!!

nelson paciencia disse...

Grandes desenhos!

Marcelo de Deus disse...

O papel do Pedro neste blog é o de elevar a fasquia sempre para um novo record olímpico. Chiça q maravilha!!!

Bruno Vieira disse...

É um pouco isso, Marcelo. O Pedro Alves é uma inspiração, não só pela qualidade técnica mas também pelo espírito urban sketcher de registo da paisagem urbana e humana, e de partilha. Parabéns Pedro ;)

teresa ruivo disse...

Subscrevo!