Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 14 de maio de 2017

Desenhar com Teresa Ruivo

Reparei no Desenhar com Teresa Ruivo enquanto planeava passar por Lisboa. A sua abordagem remete-nos à essência de quem somos e dos detalhes que nos moldam, a nós e aos outros. Achei interessante a sua relação com a escrita, os desenhos fluidos, com muita experimentação e influencia emocional, onde desenhar pode ser isento de exigências gráficas e recurso para nos libertarmos ou nos reconciliarmos com realidade. 
O desenho acaba por ser um pretexto para ligar pessoas, normalmente importa mais o conteúdo ou o acto de desenhar do que o grafismo ou legibilidade do desenho.
O desafio era de desenhar pessoas paradas e em movimento, pela linha, pela mancha e pelas duas. Figuras não é a minha praia e desenhar com mancha ainda é uma novidade inconstante, mas é bom recuperar desafios com um âmbito mais descontraído.
Encontrei um grupo de desenho muito amável e interessado no que cada um arrisca, são todos diferentes e procuram conhecer a paleta de todos, moldam quem são nas diferenças que os atraem.
Obrigado Teresa Ruivo ;)




8 comentários:

Rosário disse...

A experiência da Teresa é muito motivadora! E que desenhos tu tens tão bons!

Mário Linhares disse...

Que pena tenho de não ter conseguido ir...

hfm disse...

Objectivos bem conseguidos. Gosto. Muito.

Manuela Rolão disse...

Não só desenhas bem, com refletes e escreves com grande pinta! Parabéns!

Rita Catita Afonso disse...

Se fosses aos Ídolos dos desenhos, já estavas na final.

Bruno Vieira disse...

Obrigado a todos.
Mário, esteve óptimo para apanhar figuras em posições interessantes... e nem é dos temas que costumam me desafiar.
Manuela Rolão, todos os sentidos se cruzam, o universo converge, gosto do perfume da atmosfera de um desenho assim como da poesia e vibração musical que o gesto deixa no registo, reflexo de cada um.
Rita, não exageres, se me tivesse sentado do outro lado do museu, estavas transformada em bonequinho.

teresa ruivo disse...

Grandes desenhos, e grande reflexão sobre o desenho. Pela parte que me toca, muito, muito obrigada!

Isabel Rodrigues disse...

Gosto da sua ilustração Bruno e apreciei os cadernos feitos por si. A Teresa Ruivo trouxe-me motivação e o Bruno também. Aliás, é o grupo todo e a sua dinâmica que me vai transformando no que sou hoje, uma sketcher compulsiva, com dom natural ou não, pouco importa.