Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Marrocos III


O rei de Marrocos aparece sempre endeusado, até em cima da caixa de electricidade onde trabalha o engraxador de sapatos. Vai haver eleições para o parlamento e, como campanha, deitam folhetos preciosos para o chão (tenho alguns guardados). Aparentemente, aqui a democracia semeia-se no betão.

Pergunto sempre aos jovens dos partidos se são gauche ou droite; respondem-me invariavelmente que aqui não há tal distinção. Seja como for, ao ver tanta gente jovem, tanto talento, habilidade, acrobacia que vai além da notável fluência poliglota, apercebo-me que a velha Europa pode estar no fim da linha.

***

Crónica do dia: posso dizer que o deslumbramento inicial foi lavrado pelo toque com a realidade. O choque cultural é demasiado grande e pressente-se, nos vendedores, um grande interesse na moeda única que possamos carregar nos bolsos, que está de maos dadas com um desinteresse mais ou menos cortez pela cultura ocidental.

O dia foi um desfile entre a mais fina flor da arquitectura islâmica, os azulejos de alicatado e os pátios luxuriantes.



O edifício mais impressionante que vi é a Madarsa Ben Youssef, uma escola de Corão do século XIV, onde as paredes de estuque arrancavam do chão com belos azulejos e eram amparadas do céu por escultóricas peças de madeira de cedro.
Vi os quartos dos estudantes, que apesar da frescura bioclimática, pareciam desconfortáveis e pouco ergonómicos, uma espécie de Convento dos Capuchos.



Comecei a desenhar. Tento, aliás, desenhar tudo o que posso a minha volta. E divirto-me imenso, porque num lugar tão palpitante como este, a tarefa é sempre incompleta.
Mas na Madarsa comecei a tentar reproduzir os frisos escritos em gesso, que acompanham as paredes dos corredores ao nível dos olhos. Reparei que repetiam uma frase e perguntei a senhora da bilheteira o que significavam. Aparentemente, repete por toda a parte, O Poder de Alá.


2 comentários:

José Louro disse...

amigo Tomás, que beleza, texto incluído.

Pedro Loureiro disse...

Esta reportagem está do camandro! Em particular o penúltimo desenho