Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 26 de março de 2017

Hector Zamora no MAAT

Hector Zamora, artista mexicano a viver em Lisboa, pensou na galeria Oval do MAAT como uma arena onde se faziam batalhas navais, violentas e mortais, para os romanos se divertirem. Aí colocou 7 barcos de pesca e 30 operários, alguns imigrantes e desempregados, destruíram-nos durante duas horas. Metáfora do fim da pesca tradicional portuguesa, com as regras europeias, e também da tragédia actual das mortes no mediterrâneo. O som era poderoso e ver os operários trabalharem e os barcos a serem destruídos incómodo.

E como registar isto? Com muitos desenhos. Em baixo dois dos desenhos que fiz. Os desenhos feitos no sítio são, muitas das vezes, mais intensos que o desenho final publicado no jornal.