Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Quinta das Conchas





Feito esta manhã na Quinta das Conchas

Viagem à Hungria

Tardiamente, publiquei no meu blogue os desenhos feitos numa viagem de estudo com alunos e professores no âmbito de um projeto Erasmus +.
Este é o da Ponte da Liberdade, vendo-se ao fundo o Monte Gelléert, ao qual subimos.
Os outros de desenhos aqui
Vejam também os desenhos feitos pelos meus alunos de 10-11 anos.


COMPOSTELA ILUSTRADA (3)


terça-feira, 13 de novembro de 2018

Arte da Xávega

Lá vão as redes sendo aladas.
Quando chegam à areia seca os"pescadores" voltam à beira d'água e fazem nova viagem. Puxam pelas redes, puxam pelas pernas, pelos braços e pelas almas. Puxam.

Compostela Ilustrada 2018


Oficinas estimulantes, conferências inspiradoras, uma série de apresentações interessantissimas, muito convívio e boa comida em quatro dias de chuva intensa. Assim foi a minha primeira participação. 






Rua de Sá de Miranda - Viana do Castelo

Estacionado nas traseiras das Finanças, no lugar de uma ambulância, enquanto a Daniela foi ali comprar uns bilhetes para o teatro e levantar dinheiro a um MB. Pintado em casa. 

Pescando...

...no Cabo Carvoeiro.





COMPOSTELA ILUSTRADA (2)

Encontro final no Hostal de los Reyes Católicos.

Outono, Erasmus, surpresas e aguarelas!

Este fim de semana fui visitar o meu filho  mais novo que está em Erasmus no vale do Reno, na Alemanha,  Fez 20 anos no domingo e teve a surpresa da visita dos dois irmãos mais velhos, de um primo e ainda de outros amigos.
 Estou habituada a desenhar "em família" mas assim, com 7 miúdos à minha espera, o caso tornou-se mais grave. Uma coisa é certa:  não me podia vir embora sem tentar desenhar  as cores quentes e irresistíveis do Outono frio e dourado que  ali se faz sentir, por isso desenhei  a correr, "às três pancadas" ou, como dizia o meu avô ,  "tudo à matroca"! Não me importo. Ficam para recordação de  uns dias inesqueciveis! Agora, todos juntos outra vez , só no Natal (o que, nos tempos que correm, já é muito bom :))



 





Clara e Zorbas


segunda-feira, 12 de novembro de 2018

COMPOSTELA ILUSTRADA

Novembro é mês de trilhar os caminhos que levam a Santiago de Compostela. Desenho feito no Workshop de Juan Linares Vargas nesta terceira edição do Compostela Ilustrada.

Arte Xávega

O alar é lento e duro.
Dos cabos passa-se para as redes. A princípio mal se nota mas as redes vão aumentando de altura.
As redes têm bóias que ao princípio são simples rectângulos de cortiça e depois são bolas (de rugby ou de andebol) em plástico, e pesos que também vão aumentando à medida que a rede se aproxima do fim.
Para as puxar os "pescadores" têm uns suspensórios com um cabo que termina numa espécie de bolacha de madeira que, com grande destreza, passam à volta da rede, encaixam no ombro e "ala" que se faz tarde.

10x10 WINTER Classes: Class 7

No dia 15 de Novembro, próxima 5ª feira, vamos desenhar os bastidores de um serviço de urgência num hospital público central. Uma vez na vida vamos observar em vez de ser observados.
Vamos ter acesso a zonas reservadas. Vamos reunir tudo numa dupla página que será a nossa reportagem gráfica.

On November 15, next Thursday, we will draw the backstage of an emergency service in a central public hospital. Once in a lifetime we will observe rather than be observed.
We will have access to reserved areas. Let's put everything together on a double page that will be our graphical report.

Formador: José Louro

Contacto para inscrições/Registration mail:

Contacto para esclarecimentos:

Rua de S. Sebastião da Pedreira

Numa passagem (muito) rápida pela Rua Filipe Folque, naquela parte que a rua literalmente passa por cima da Rua de S. Sebastião da Pedreira.
As perspectivas aéreas são sempre bons exercícios, mas confesso que me dão algumas dores de barriga...


Barcelona, dia 4

Retomando os desenhos de Barcelona.

Foi neste hospital que faleceu Gaudi, após ter sido atropelado. Durante os dois ou três dias que esteve internado, foi tratado como um indigente, pois não tinha documentação e vestia-se como tal. Só após a morte é que descobriram a identidade do "indigente". Foi a história que me "venderam".

Recomendo a visita, pois tem uma bela Biblioteca e os Claustros também são muito bonitos.


Junto ao antigo Hospital, encontrei a Paróquia de Santo Agostinho, que está a precisar de umas obras de conservação no interior. O exterior é interessante, pois revela todas as cicatrizes ganhas ao longo dos séculos.



Na Praça Del Pi, encontramos a Feira de Arte que acontece desde a década de 1970.

Já no Bairro Gótico, encontrámos a Catedral de Santa Creu.
.

A Catedral exigiu dois desenhos. 
O segundo desenho tenta representar o pátio da Casa de L'Ardiaca.


Pois é, ser pai tem destas coisas - última paragem - Camp Nou


domingo, 11 de novembro de 2018

Xávega

Quando ambas as mãos da xávega estão na praia há que alar a rede. E não é tarefa fácil. Na Nazaré era com bois. Lembro-me de ver, na Caparica, alar redes com tractotes. Aqui na Meia-Praia é à força de braços e pernas.

Viana do Castelo. 17 de Novembro

No próximo dia 17 de Novembro acontece o sétimo  Encontro integrado no ciclo “Sketching com História”* que o CIM (Comunidade Intermunicipal do Alto Minho) nos desafiou, aos USkP e USkPNorte, a organizar.

Ponto do encontro na Alameda 5 de Outubro junto à Biblioteca Municipal, às 11 horas. Chegada ao Porto às 19h. Oferta aos participantes de almoço e transporte (ida e volta) de camioneta (parte do Porto, estação ferroviária da Campanhã, pelas 9 horas. IMPORTANTE: é necessário inscrição prévia (lotação da camioneta limitada) FAZER AQUI

*O ciclo “Sketching com História” faz parte do Projecto “Alto Minho 4D-Viagem no Tempo” promovido pelo CIM que se associa ao Programa de comemorações do Ano Europeu do Património Cultural em Portugal   


Sketching Av Liberdade - Loja Cartier

Publico hoje o desenho que fiz com a Leonor Janeiro, sentada num dos bancos dos nossos "Champs Élysées" a olhar para o belo edifício onde se situa a Loja Cartier.

Estava um dia cinzento, de chuva miudinha, mas consegui captar a mudança de cor que se deu no edifício, quando apareceu o sol entre as nuvens! Que transfiguração!!


Por curiosidade, junto o sketch sem árvores (altura em que estive quase para dar por terminado o desenho...).



Sketching com História em Arcos de Valdevez I



Vou querer partilhar convosco os desenhos que saíram da residência artística. Foram dias intensos, se foram, e mesmo assim quase tudo ficou por desenhar.

Valeu a simpatia das pessoas que encontrei, que davam sempre as melhores dias sobre os sítios onde ir. Mesmo que fosse uma vista espectacular no cimo da serra, onde só se chega por trilhos intermináveis, a pé. 

41ºEncontroUSkP Açores


POEMA DO CORAÇÃO
"Eu queria que o Amor estivesse realmente no coração,
e também a Bondade,
e a Sinceridade,
e tudo, e tudo o mais, tudo estivesse realmente no coração
Então poderia dizer-vos:
"Meus amados irmãos,
falo-vos do coração",
ou então:
"com o coração nas mãos".
Mas o meu coração é como o dos compêndios
Tem duas válvulas ( a tricúspide e a mitral)
e os seus compartimentos (duas aurículas e dois ventrículos).
O sangue a circular contrai-os e distende-os
segundo a obrigação das leis dos movimentos.
Por vezes acontece
ver-se um homem, sem querer, com os lábios apertados
e uma lâmina baça e agreste, que endurece
a luz nos olhos em bisel cortados.
Parece então que o coração estremece.
Mas não.
Sabe-se, e muito bem, com fundamento prático,
que esse vento que sopra e ateia os incêndios,
é coisa do simpático.
Vem tudo nos compêndios.
Então meninos!
Vamos à lição! 
Em quantas partes se divide o coração?"     
  António Gedeão



No dia Internacional dos Museus e dos Centros de Ciência a Expolab encheu-se de caras novas para desenhar em caderno. Começámos por identificar nos poemas de António Gedeão referências cientificas e desenhámo-las. Depois os, num ambiente animado, as experiências de Rómulo de Carvalho.

(Aguarela, esferográfica e grafite)                                                                                                          «in situ»

sábado, 10 de novembro de 2018

EIDRTV - Dia 27

Coisas que acontecem no Encontro Internacional de Desenho de Rua de Torres Vedras,
Dia de vento e colagens.

Cidadela de Cascais

Recantos ou olhares




Senhora da Paz

Senhora da Paz, Vila Franca do Campo

(Aguarela, esferográfica e caneta caligráfica)                                                                                      «in situ»

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

EIDR - Dia 28

Ainda sobre o Encontro Internacional de Desenho de Rua de Torres Vedras, na Casa na Ribeira, descontracção no relvado do pátio lutando com um papel pouco amigo da aguarela.  Orientação de Domingos Guimarães e Pedro Cabral, este ultimo com um percurso que acho muito interessante e com um traço que admiro muito, sempre limpo e de excelente enquadramento.


E na Quinta de São José - Vale da Capucha, descontraindo a perspectiva, torcendo linhas e não me preocupando muito. Orientação de Vitor Mingacho e Alexandra Belo, dois sketchers que admiro muito pela forma descontraida com que atacam perspectivas  e linhas.

A minha mala...

...de Diários Gráficos.

Prainha de S. Pedro

É uma minúscula enseada mesmo ali no Forte de Peniche.






O que viria a ser Forte, começou com o  projecto de construção de um baluarte em 1557, sob a responsabilidade de D. Luís de Ataíde, conde de Atouguia que viria concluir-se como um Forte  em meados do século XVII, em pleno período de Restauração, quando a Coroa portuguesa levou a cabo uma profunda remodelação do sistema defensivo da costa.
Cerca de 1642 iniciou-se uma obra de ampliação da fortificação (projecto de autor desconhecido), de planta estrelada irregular, delimitada por uma cortina de muralhas com baluartes poligonais e uma segunda linha defensiva. Esta obra estaria concluída em 1645... A fortaleza desempenhou um papel fundamental na defesa da costa atlântica ao longo do te, destacando-se a sua importância durante as invasões Francesas e as Guerras Liberais. Entre 1934 e 1974 o Forte de Peniche foi transformado em prisão de presos políticos do Estado Novo. No ano de 1984 a Câmara Municipal de Peniche transformou o espaço da fortaleza em Museu Municipal.
fonte: Catarina Oliveira  GIF/IPPAR/2005
http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/71147


Bic, bic, bic-bic...

No outro dia voltei a pegar numa Bic, eu já tinha saudades... 
... sentada no alto do Forno da Cal a apreciar Ponta Delgada

(Aguarela, esferográfica)                                                                                                       «in situ»