Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

domingo, 29 de março de 2020

Web Oficina 7 - "Da tri para a bidimensionalidade"

A minha proposta não é tão lúdica, ou sexy, como as anteriores. Mas acho um bom treino para situações reais no exterior. Para quando voltarmos à “normalidade”  😀

O desenho de observação de um espaço ou de um objecto não passa do seguinte problema: Como representar coisas tridimensionais numa folha de papel bidimensional? (Já disse o Luís Ançã). Como criar a ilusão de profundidade? Há muitas maneiras, estratégias, de o fazer. Com mais ou menos tonalidades de cor ou de cinzentos (os impressionistas foram muito bons nisto), com mais ou menos sombras (Edward Hopper ou Paula Rego são bons exemplos disso), com mais ou menos deformações (como o António Procópio sugeriu, por exemplo), ou como proponho fazer hoje:

1.Dando tamanhos diferentes aos elementos conforme a sua distância em relação a nós (gradação) e 2.Tapando parcialmente uns elementos atrás de outros (sobreposição).

Como nos exemplos, que foram feitos no exterior, da página da esquerda do caderno: um senhor de chapéu maior que o autocarro, um cão maior que o próprio dono, um pombo maior que um carro ou um senhor sentado numa esplanada maior que o quiosque.

PROPOSTA

Vamos tentar dar o máximo de profundidade com o desenho de dois, ou mais, objectos, simulando estas situações, mas agora com objectos caseiros. Objecto de menor dimensão à frente, com escala maior e tapando parcialmente o objecto maior, mas com escala menor, atrás. Como exemplos: a tomada maior que o computador, o afia-lápis maior que o lápis (nestes casos não há sobreposição) e o copo maior que o batedor.


Podemos ainda realçar a distância entre objectos usando canetas de grossura ou de tonalidade diferentes ou pormenorizando mais os objectos mais perto de nós (ver como um exemplo o post da Margarida Aguiar).

Os materiais e técnicas são as que preferirem: linha, linha e mancha, só mancha, cor ou sem ela, grafite, caneta, aguarela, tudo. 

Experimentem!


11 comentários:

Fernanda Lamelas disse...

Bem gira a tua proposta!!

Rosário disse...

Vamos a isso!

Manuela Rolão disse...

Vamos lá! Muito interessante! Obrigada, Eduardo!

Alexandra Baptista disse...

Obrigada, vamos lá.

Ana Conceição disse...

'Bora lá! :)

Helena Brantuas disse...

Gosto. Vou tentar fazer o melhor que conseguir. Obrigada pelo seu contributo.

José Louro disse...

Muito bom Eduardo.

Teresa Ruivo disse...

Puxa, isto não pára! Mais um desafio imperdível!

L.Frasco disse...

Estas weboficinas estão mesmo a surpreender! Mesmo à distância temos sabido desafiar-nos a temas tão interessantes.
Obrigado a ti também, Eduardo, por mais esta. Simples mas tão pedagógica.

Maria Lopes disse...

Olá e obrigada e sabes me dizer a password do nosso Blog pq a mudaram outra vez...há 3 dias? Obrg
Maria Lopes

Luís Ançã disse...

Boa proposta, Eduardo. Abraço.