Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 29 de abril de 2020

#weboficina25 #acasasemparedes

Imaginar a casa lá fora, como libertação dos sentidos, é uma ideia que tem sido explorada, seja no cinema, seja na literatura. Em Eternal Sunshine of the Spotless Mind, Joel e Clementine, respetivamente interpretados por Jim Carrey e Kate Winslet, acordam na praia, numa cama que podia ser do quarto. A imagem parece surreal. É essa procura que proponho: aproximar a nossa casa do exterior em tempos de quarentena, em que a promessa do ar livre parece cada vez mais presente.




O processo é simples. Vamos procurar os materiais de desenho que nos deixem mais confortáveis. As canetas mais espessas são ideais, soltam o traço e evitam que nos fixemos em pormenores. O mais importante é a atmosfera que queremos dar ao desenho.

A seguir, vamos desenhar um canto da casa. Pode ser um sofá e uma mesa, pode até incluir um tapete, parte do chão e o rodapé. Vale tudo, desde que nos esqueçamos que o tecto e as paredes existem.

Finalmente, vamos preencher parte do espaço vazio com um elemento do exterior. Pode a vista para a rua, ou uma paisagem abstracta: a linha do horizonte do mar, uma seara, ou aquela paisagem que gostaríamos de ter em casa.

O resultado final é pessoal, talvez intransmissível. Fizemos desenho de observação, mas o ambiente que deixámos nas folhas de papel vai parecer quase onírico. E se o desenho parecer confuso, é porque mal se distingue o espaço interior e o exterior :)




12 comentários:

L.Frasco disse...

Que grande ideia, Tomás, esta de fintar o confinamento e abrir a nossa casa ao exterior.
E tão bem escrito!

Alexandra Baptista disse...

Obrigada Tomás, é desafiante.

Fernanda Lamelas disse...

Muito giro o desafio!!

Isa Silva disse...

Ahh liberdade :-)

Tomás Reis disse...

Obrigado, tentei sentir a liberdade :) estou curioso quanto aos resultados deste desafio, um "vá para fora cá dentro".

Rita Catita disse...

És mesmo criativo miúdo! Beijo!

Tomás Reis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Teresa Ruivo disse...

Original, surreal e divertido!!!

Eduardo Salavisa disse...

Bom desafio Tomás! (tenho lido os teus textos no Público)

Tomás Reis disse...

Obrigado, é sempre bom pensar em novas oficinas. Quantas casas possíveis haverá..

José Louro disse...

Top!!

Manuela Rolão disse...

Vou fazer! Que inspiração!