Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sábado, 30 de abril de 2016

a três mãos


O Matias tem andado a utilizar os cadernos. Gosta de os usar, preferencialmente, depois das refeições. Abre numa página, pega nos lápis ou nas canetas e começa a encher as folhas. Ainda não fez dois anos e já vai no quarto caderno...

Contudo, há momentos em que ele se entusiasma mesmo não sendo após as refeições. Mal eu ou a Ketta abrimos o caderno para desenhar, lá vem ele colaborar...
Ainda não tem preferência de mãos, tanto usa a direita como a esquerda e, às vezes, até as duas ao mesmo tempo. 

Neste desenho, quanto mais eu tentava desenhar, mais ele desenhava também. Peguei na caneta e comecei a desenhá-lo, mas o bico do lápis dele tinha de bater no bico da minha caneta. Era um misto de jogo e luta! :)

É preciso amarrar o modo como desenhava no passado. Novos tempos se vivem e as páginas do caderno mostram isso mesmo. 

4 comentários:

Alexandra Baptista disse...

Muito bonito e a fazer história.

Manuela Rolão disse...

Uma educação artística tanto para o pai como para o filho! Os filhos ensinam-nos muito!

cláudia mestre disse...

Gosto muito destes desenhos conjuntos! A Inês teve o seu primeiro diário gráfico aos 18 meses. Ela enche cadernos a uma velocidade alucinante :)

L.Frasco disse...

Olha, acho que só têm que se habituar.
Mas a página ficou lindíssima com as caras do Matias por entre os seus desenhos.