Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 8 de abril de 2020

WEB OFICINA 16: A PALETA REDUZIDA


Bom dia!
A minha proposta é: vamos trabalhar apenas com 3 cores e fazer todas as outras!

1.Na vossa caixa de aguarelas (ou por entre os vossos tubos de aguarela), procurem as mais próximas das cores primárias (amarelo primário, magenta e azul ciano). Ao contrário do guache, não é possível comprar aguarelas com estas cores.
Assim, tenho feito vários kits destas 3 cores para minha utilização, com várias marcas, usando cores aproximadas. Com Van Gogh, usei o amarelo limão permanente (254), o rosa quinacridone (366) e o azul cerúleo (535). No nosso evento dos 10 anos UskP, comprei um conjunto de White Nights de amarelo limão (214), rosa quinacridone (324) e azul cobalto (532) mas ainda não as experimentei.
No exemplo que vos apresento, usei a marca Sennelier com as cores amarelo cádmio limão (535) , vermelho carmim (635) e azul ceniza (344).

Quais as vantagens de usar apenas 3 cores? (para mim, é claro!)
- o desafio de ter de fazer as misturas para obter as cores e tons desejados.
- conseguir uma gama de cores e tons muito ampla.
- obter uma pintura em que as cores estão em harmonia (pois feitas a partir de apenas 3, de modo que todos os tons usados se relacionam entre eles em termos cromáticos).
- ser ecológico: a prática do refill!
- não precisar de saber aqueles nomes todos das cores... 😁

Se quiserem criar o vosso próprio kit: usem um blister de comprimidos, encham 3 compartimentos com as cores e deixem ao ar, durante uns dias, para ficarem com uma consistência mais seca/ rígida. Depois, é só arranjar uma caixinha, um pouco de papel de cozinha e um pincel com reservatório de água.

2. Diz que é uma espécie de círculo cromático!
(proponho esta organização das páginas mas deixo ao vosso critério)
No topo da página da esquerda do vosso caderno, pintem as cores que escolheram para ponto de partida (as vossas cores primárias). Se souberem os nomes, escrevam-nos.
Por baixo deste reduzido catálogo de cores, a proposta é simular um círculo cromático, feito de uma maneira muito lúdica: molhar bem o pincel em água e “pintar” uma circunferência com alguma espessura. Colocar um pouco de cada cor sobre a água a distâncias mais ou menos iguais umas das outras. Rodar o caderno com cuidado de modo a que os pigmentos deslizem na água e comece a dar-se a sua mistura. Evitar intervir com o pincel. Deixar acontecer. Escrever apontamentos/ comentários ao resultados.

3. As cores primárias duas a duas vão dar mais três – as secundárias.
Pintar com água três círculos – fazer um de cada vez: no primeiro, colocar um pouco de amarelo e de magenta, no segundo, um pouco de amarelo e de azul e no terceiro, um pouco de magenta e azul. Rodar o caderno de modo a que as cores se misturem só pelo movimento da água. Escrever apontamentos/ comentários ao resultados.

4. Vamos fazer uma gama de tons,  através da mistura de duas cores. Escolher duas das cores primárias. Usar  uma superfície para fazer a mistura. À cor mais clara das duas, ir juntando um pouco da outra. A cada acrescento, pintar no caderno. Exemplo: amarelo e azul – a gama irá de um amarelo esverdeado até um verde azulado. Escrever apontamentos/ comentários ao resultados.


5. Vamos manchar e finalmente desenhar!
Na página da direita, com lápis, desenhar o contorno do espaço deixado por uma porta aberta (ou janela). Com o pincel molhado em água, pintar essa superfície. Por água q.b. para que haja movimento. Sobre a água, colocar, quase sem tocar com o pincel no papel, um pouco de cada uma das três cores primárias, rodando depois o caderno para concretizar a mistura e preencher com cor todo o espaço da mancha de água. Pode ser um processo lento mas divirtam-se a ver as misturas acontecerem. Deixar secar. Sobre  a bonita e translúcida mancha, desenhar com caneta o que vêm para lá da porta (ou janela). Divirtam-se!


(A vantagem de deixar as cores se misturarem sem a intervenção do pincel sobre o papel: a mancha fica uniforme, homogénea. Foi um segredo que aprendi com o Mathew Brehm no Porto: ele explicou que o pincel molhado ao ser esfregado no papel pode libertar alguma das suas fibras. Água e fibras misturadas com os pigmentos da aguarela cria uma espécie de lama, o que torna menos bonita a mancha.)


Amanhã, como há pausa nas web oficinas, façam um trabalho de casa: experimentem obter cinzentos quase pretos misturando as 3 cores. É interessante pois podemos fazer um cinzento mais para o azulado ou um cinzento avermelhado (mais quente ou mais frio)... enfim, bonitos tons!

E não se esqueçam de publicar com as hashtags #weboficinas #quarentenadesenhada e usar no blog a etiqueta weboficina16.

9 comentários:

Alexandra Baptista disse...

Muito bem Manuela, eu estava curiosa com esta oficina. Eu alinho, obrigada.

Fernanda Lamelas disse...

O que vale é que temos dois dias para este desafio!!

Ana Conceição disse...

Que belo exercício Manuela! remete-me para umas belas manhãs, numa outra vida, na quinta da Fidalga :)

Teresa Ruivo disse...

Vou arregaçar as mangas e logo se vê😊

Rosário disse...

Vamos lá!

Ana Guerreiro disse...

Gosto muito da proposta, Manuela.

Eduardo Salavisa disse...

És aquele tipo de professora que faz o que ensina. São os melhores. E a proposta é óptima e muito bem explicada.

Isa Silva disse...

É um belo desafio :-) farei assim q puder

cláudia mestre disse...

Manela, é uma proposta fantástica,já te tinha dito. Não se esperava outra coisa! Criativa, desafiante e, a tua forma de a explicar, está perfeita (a escrita e os desenhos). É mesmo à professora de EVT :)
Ainda não a fiz, mas hei-de fazer!