Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Chafariz do Largo do Carmo


Quando Roque Gameiro primeiro chegou a Lisboa, desde a sua Minde natal, encontrou uma paisagem urbana em mudanças drásticas. Novas indústrias e novas tecnologias rasgavam a tela de uma cidade antiga e pitoresca com a qual ele mais se identificava. Tais mudanças atiçaram em Roque Gameiro a vontade de registar as vistas, o ambiente e as pessoas da velha Lisboa. Assim, ele arrancou com o projecto de produzir mais de uma centena de gravuras e aguarelas dos locais que ele achou que mais transmitiam a ideia e o espírito de Lisboa.

(continua)

6 comentários:

nelson paciencia disse...

És um extraterrestre!

André Duarte Baptista disse...

que belo desenho Pedro. Cada vez melhor

Pedro disse...

Com texto explicativo e tudo. Um desafio cada vez mais bem ilustrado.

Pedro Alves disse...

... e eu ali, a pintar o meu desenho! só agora reparei! eh eh eh

Celeste Vaz Ferreira disse...

Gosto imenso do desenho, em particular das árvores e do Pedro Alves concentradissimo :)

Pedro Loureiro disse...

Muito obrigado a todos!
Pedro Alves: e o Tomás também está, mas sempre atrás da tela ;)