Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

segunda-feira, 30 de março de 2020

Web Oficina - Variações sobre um Tom

O tempo de ficar em casa é também o tempo de descobrir a casa. A ideia para esta oficina começou com um aparo de caligrafia encontrado no meio das arrumações à estante de desenho. E se o aparo de escrever fosse usado para desenhar? Desenhar o que? Uma Kodak Instamatic, do tempo em que as máquinas fotográficas tinham rolo e flash. E a cor? As primeiras fotografias tiradas no século XIX depois de reveladas por vezes tinham um tom sépia. Se não há sépia há azul. Escolham o vosso objecto. Pode ser um candeeiro, um livro, o que se sentirem confortáveis a desenhar.


1- Desenho a linha com aparo                                         2- Colorir a dois tons com pincel 

1 - Desenho a linha do objecto com aparo e tinta (ou caneta de tinta permanente, ou esferográfica bic, marcador, um material à vossa escolha e que não utilizem regularmente) 
 2 - Podem largar o aparo e pegar no pincel. É o momento de aplicar a cor usando apenas dois tons da mesma cor: a cor usada no desenho a linha e o outro tom podem obter diluindo a cor usada no primeiro desenho num pouco de água. Nas zonas escuras aplicar mais do que uma "demão”. Deixem a tinta secar entre aplicações.


3 - Finalização 

3 - No terceiro passo ainda com pincel acrescentar uma sombra projetada e alguns pequenos apontamentos de sombra na máquina. Com uma caneta de gel branca (ou poska branca, ou outra à escolha) acrescentar pormenores (nome e modelo da máquina, etc) e os brilhos (pontos onde a luz se reflete com mais intensidade, procurem-nos no objecto que estão a desenhar).  

Materiais usados
Divirtam-se com esta proposta usando estes ou os vossos próprios materiais esquecidos no fundo das prateleiras e que não usam habitualmente. 

Materiais usados: aparo caligráfico, pincel fino, caneta de gel branca, tinta Document Ink Blue Grey da DeAtramentis, caderno Stillman & Birn.

Não se esqueçam de colocar #quarentenadesenhada e #weboficinas nas publicações nas redes sociais.

9 comentários:

Manuela Rolão disse...

Vou procurar a minha Agfa instamatic! Grande ideia, Filipe!

Rosário disse...

Vou ver a mais antiga que cá estiver em casa, porque agora temos que ficar em casa.

Ana Conceição disse...

Grande proposta Filipe! O que tenho cá em casa corresponde e não corresponde ;) eheheh! até já!

Fernanda Lamelas disse...

Boa!

L.Frasco disse...

Bem gira esta viagem ao passado.

Alexandra Baptista disse...

Obrigada Filipe, vou tentar.

Teresa Ruivo disse...

Gosto muito da ideia. Ainda me falta fazer o desafio do Eduardo. Quem sabe consigo hoje os dois :)

Rita Catita disse...

Mestre!

Luís Ançã disse...

Boa proposta, Filipe. Muito bem documentada. Utilizo muitas vezes essa técnica de pintura a aguarela bem como as monocromia.