Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sexta-feira, 27 de julho de 2018

USKPorto2018 - Os workshops da porcaria

Afinal não foi só copos e conversa durante o Simpósio do Porto. Também participei em alguns workshops. Chamei-lhes workshops da porcaria não pela falta de qualidade dos mesmos, mas por que eu fiz mesmo muita porcaria. Nem de seria de esperar outra coisa. Trabalhar com tinta da china (workshop da Johanna Krimmel), pasteis secos (William Cordeiro na pele de Daniel Green) ou até mesmo os lápis de grafite (Eduardo Bajzek) revelou-se uma verdadeira aventura para mim. Mãos sujas, braços sujos, roupa suja e muita comichão na cara quando não te podes coçar. Adorei trabalhar com estes materiais mas foi-me difícil utilizá-los na rua sem me sujar a mim e ao espaço envolvente.
Mas antes de aprofundar estes três vou descrever aquele que foi uma surpreza para mim. Inscrevi-me no Workshop de Marc Talo Holmes mas este, por razões familiares não pode vir. Vim a conhecer o Khoo Cheang Jin que substituiu o Marc. O trabalho de CJ Khoo é brilhante. Ele faz trabalhos grandes mas pinta tudo no lugar. É um trabalho de aguarela muito expressivo e descontraído ao mesmo tempo. Vale muito a pena darem uma vista de olhos. Para este workshop CJ Khoo trouxe uma temática muito importante: A capacidade de deixarmos os brancos no papel e utilizar esses brancos como foco central do desenho. Estou sempre a pensar no que devo deixar de fora quando desenho, mas esqueço-me de fazer o mesmo em relação aos brancos na pintura. Uma outra curiosidade dele é que acrescenta ou altera elementos no seu desenho. Ña DEMO desenhou pessoas que não estavam lá e desenhou os toldos abertos quando na realidade estavam fechados. Quando alguém o chamou à atenção, disse que nos seus desenhos sente-se livre para o fazer, porque não quer copiar a realidade mas interpretá-la. Gostei. Mas chega de conversa. As minhas experiências ficaram assim:


3 comentários:

ana frazão disse...

gosto, especialmente do segundo.

Marcelo de Deus disse...

Boas experiências. Tb o apanhei em acção nos aliados. É incrível

Suzana disse...

Gosto imenso das experiências!!!