Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sábado, 28 de janeiro de 2012

21º Encontro

No frio da manhã alentejana, o grupo foi começando a crescer em frente à escola - ponto de encontro. Apresentações, primeiras conversas, café para aquecer, e seguimos para o monte onde se ia dar a matança.
No monte, enquanto o sol já começava a aquecer, o bicho oferecia resistência. Entre quatro a cinco homens  trabalhavam para subjulgar a porca, que lutava lá à sua maneira.
 Aplicado o golpe fatal, a preocupação era recolher a maior quantidade de sangue para dentro de um balde de plástico. Os guinchos de arrepiar foram amenizando. A matança estava concluida.
 Com o silenciar da porca, voltaram os sons normais do monte, as aves, as conversas à volta de como tinha corrido a matança. Aproximaram-se alguns galináceos, a picar o chão, curiosos sobre o sangue que não tinha vertido para o balde. A porca foi levada para a bagageira da carrinha.
 De volta à escola, enquanto que no pátio solarengo a porca era depilada com maçarico e faca, na cozinha da cantina já se trabalhava nos preparativos para o almoço.
 No entretanto, iam sendo servidos da cozinha enchidos, costeletas, pão, vinho, limão e rábano cru - para cortar a gordura.
 Retiradas as tripas e outros órgãos afins, lavou-se o interior do animal à mangueirada.
 Durante cerca de três horas, assistimos ao processo de passagem da fronteira indefinida em que a porca deixa de ser animal para passar a ser comida. A sua transformação de pig em pork, como dizem em inglês.
 Antes do desmancho, pesaram a porca com uma balança de vara (que não coube no caderno).
 Na cozinha, preparavam-se já os restos mortais do bicho, em receitas separadas: numa frigideira, refogavam o estômago, os rins e o fígado, com muita salsa e coentro; num grande tacho fervia a esponjosa gordura, que ia libertando a banha líquida. Esta era coada e recolhida em pequenos baldes de plástico. No final, quando a gordura deixasse de libertar o líquido, torrava até à forma de torresmo.
 Durante o desmancho, iam aparecendo mais convivas. Aqui, o Luís Ançã desenha junto à estranha personagem do capote e da boina.
 
Finalmente, começou o repasto. Uma sopa que por si só já era uma refeição, as diversas partes da Marranita, a porca sacrificada, e um pequeno festim de sobremesas, incluindo dois bolos de ovos e massapão esculpidos à imagem da porca. Fiquei na mesa do Pereira, do chefe Rui Amendoeira - em suma, da malta com nome de árvore, bem enquadrado, portanto - e da estranha personagem, agora sem capote e sem boina.
A meio da tarde, tempo para uma passeata por Reguengos em busca de café aberto, e tempo para um último desenho, a alguns dos sketchers de serviço.

10 comentários:

Maria Celeste disse...

...grande reportagem Pedro...
...foi como estivesse também na parte da matança de manhã cedo...
Muitos parabéns e obrigada...

Eduardo Morais Araújo disse...

Txii isto está muito descritivo. Demais até lol
Parabéns! Espero que tenhas gostado da minha antiga Terra ; )

Mário Linhares disse...

Se eu fosse director de um jornal, publicava já este artigo!

José Barreiros disse...

Foi de facto um dia fantástico. A tua descrição, não podia ser mais fiel. Bons desenhos complectam cada uma das fases. Está ums bom trabalho

claudio patanè disse...

brutal pedro!!!magnificos!!!!

Manuela Rolão disse...

Fantástico conjunto de desenhos: destaco o da mesa posta e o das facas. Mas todos, e completados com texto, são uma preciosidade.Concordo com o Mário: podia ser publicado! Parabéns!

Ketta disse...

Gosto muito desta reportagem: o início das páginas com poucas linhas que se vão preenchendo a medida que o porco se transforma em comida!

Fantástico, Pedro!

Pedro Loureiro disse...

Muito obrigado a todos!

E - faltou esta parte no corpo de texto do post - um grande agradecimento também à malta de Reguengos que proporcionou esta oportunidade, e que trabalhavam arduamente no bicho e na cozinha enquanto nós pudemos desenhavar e petiscar!

Luís Ançã disse...

Muito bom, Pedro. Uma excelente reportagem com desenhos magníficos.

Rosário disse...

Gosto muito! Aquela mesa está um espectaculo!