Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

domingo, 11 de maio de 2014

Cova da Moura

Ao entrar na Cova da Moura foi incontrolável para mim entrar também numa viagem a África. Tudo me fazia lembrar os três países da África negra onde já estive, os cheios, as cores, as pessoas, o ambiente, tudo...
Como prova de que o povo africano é único e especial para ser desenhado, só consegui fazer dois desenhos do ambiente das ruas. As pessoas aproximam-se e querem saber o que estamos a fazer, pelo que foi inevitável desenhá-los também.

 De manhã, o Miguel Horta acompanhou-nos numa visita pelas ruas do Bairro. Às tantas, ainda sem ter desenhado nada, decidi parar no Largo da Bola. Os fios de electricidade são uma constante e têm uma presença muito forte no contraste com o céu.
Ainda a terminar o desenho, apareceu o Gilson Batalha, com um saco de compras na mão. Parou, olhou e eu perguntei-lhe se ele também desenhava. Disse-me que sim e, logo de seguida, que eu não o conseguiria desenhar. "Ok, aceito o desafio", disse-lhe eu...

Depois de almoço fomos ao Café Princesa (que a Alexandra Belo desenhou aqui) para tomar a habitual bica e despertar para uma tarde de desenho. Logo de seguida, as crianças todas já sabiam o que se passava no Bairro: andava lá um grupo de pessoas a desenhar. O Rúben e a Lívia não descansaram enquanto não os desenhei. Ao irmão do Rúben ainda lhe ofereci um desenho num papel solto. Espero que o guarde...

Depois, na Rua do Vale, com a Ketta e o Nélson, sentados num degrau, consegui desenhar de novo mais um ambiente urbano do bairro. A história do Nélson podem lê-la aqui.
Acabei o caderno com mais um desenho de uma pessoa, na página seguinte a esta, com a renovada convicção de que o povo africano é o mais belo para desenhar!

10 comentários:

nelson paciencia disse...

Infelizmente aparecei apenas a meio da tarde, mas pessoalmente senti que este foi um dos melhores encontros onde participei. O ambiente e o calor humano enriquece tanto os nossos desenhos, como se vê nos teus. Extraordinários.

Rosário disse...

Num sítio fantástico com desenhos, que só por isso são, maravilhosos!

Vitor Mingacho disse...

Gosto da tensão compositiva criada com as diferentes ecalas dos ambientes urbanos, a cores, e das pessoas, apenas com linha. Muito bons.

Fernanda Lamelas disse...

Muito bons!

L.Frasco disse...

Que páginas maravilhosas, Mário! E a delicadeza dos traços dos miúdos é deliciosa.

hfm disse...

Como sempre texto e desenhos em perfeita simbiose. Magníficos.

Carlos Ferreira disse...

Excelentes!

(e ainda por cima :) são MUITO melhores quando vistos em directo!)

Henrique Vogado disse...

Texto e desenho em complemento excelente. Muito bons.

Rita Caré disse...


Muito bom!

Maria Celeste disse...

...como tinhas razão...
...desmarcar tudo e aceitar o maravilhoso convite para esta visita...