Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sexta-feira, 17 de abril de 2020

#weboficina20 - procura uma personagem!


Procura uma Personagem!

Bom dia a todos. Espero que se encontrem bem de saúde, bem como as vossas famílias.

Já tivemos web oficinas em que foi proposto fazer um auto-retrato, desenhar objectos de casa ou de museu, e até as mãos que desenham, o incrível desafio do Luís Ançã. Peguei nisto tudo e fui à procura de algo ligeiramente diferente, numa perspectiva muito simplista mas de grande intensidade, reflexo dos dias insólitos e difíceis pelos quais passamos.

Opção 1: para quem tem outras pessoas em casa, a ideia é poder fazer um retrato, se possível de alguém que convosco esteja em casa a partilhar esta quarentena. E neste caso a contrariar o distanciamento obrigatório da DGS, colem-se à pessoa que vão desenhar, para que os desenhem de bem perto, a menos de meio metro de distância. E o retrato deve reproduzir aquilo que essa pessoa está a fazer para se distrair nas horas e dias que custam a passar, muitas vezes até (re) descobrindo coisas há muito arredadas das nossas mãos. O tema é livre, pode ser alguém a ler, a cozinhar, a jogar dominó ou de tabuleiro, a tele-trabalhar, a desenhar, a ver as notícias na televisão, a jogar computador ou entretido no telemóvel, ou mesmo a descansar. Escrevam aquilo que ouvem à vossa volta, coloquem os diálogos, façam um desenho vivo, explorem esta vossa personagem e companhia de clausura!

Opção 2: para os que estejam sozinhos, proponho um auto-retrato ao espelho, mas altamente expressivo, não como se estivessem a tirar uma foto para o passaporte. Não desenhem apenas o rosto, desenhem o corpo todo, numa perspectiva acelerada. Uma vez mais, desenhem-se bem de perto. Pensem em adereços, coloquem um lenço ou um chapéu, uma roupa de sair de casa (mas não saiam!) toda janota, senhoras, façam totós nos cabelos ou coloquem molinhas, façam rabos de cavalo, senhores, aparem a barba e deixem uma pêra, umas patilhonas retro ou um bigode vaidoso. Metam um laçarote e um casaco piroso e com enchumaços. Coloquem óculos (ou um monóculo se tiverem), um cachimbo ou um charuto bafiento. Transformem-se numa personagem! 

Algumas dicas:
·       Desenhem muito perto do vosso personagem;
·       Comecem o desenho pelas mãos ou pés (pés descalços, saltos altos ou botas da tropa são altamente recomendáveis para os auto-retratos), despreocupados com proporções ou escala;
·       Depois das mãos, deixar seguir a linha fluída à procura das linhas do corpo, não são vocês que mandam no desenho, é ele que manda em vós!
·       A cara deve ser a última coisa a desenhar, no caso do auto-retrato façam uma expressão criativa e expressiva, todas são válidas menos as de coitadinho.

Divirtam-se!

 Opção 1
                                                                           Opção 2

9 comentários:

Alexandra Baptista disse...

Sempre a puxar por nós, grande desafio, obrigada Nelson!

Alexandra Baptista disse...

ha, e o desenho é super expressivo, gosto imenso.

Graça Patrão disse...

Este retrato fala connosco!

Henrique Vogado disse...

Propostas bem divertidas para mexerem com a nossa disposição. Vamos-nos maquilhar?

L.Frasco disse...

Claro, esta é mesmo à Nelson!!
Vou à procura da minha vítima.

Ana Conceição disse...

gosto muito! estou como o Luís Frasco: vou em busca das minhas vítimas ( tenho 4). alguma há-de sair bem ;)
Obrigada!

Manuela Rolão disse...

Boa, Nelson! Vou ser uma personagem!

cláudia mestre disse...

Adoro o teu desafio!

nelson paciencia disse...

Estou tão curioso de ver o que sai deste desafio tão estapafúrdio...