Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sábado, 2 de junho de 2018

Arruda dos Vinhos

De manhã, enquanto o mercado oitocentista se preparava para a tarde estive no jardim do Palácio do Morgado a absorver a atmosfera, ora fria, ora quente, entre o silêncio e o vento, dos pássaros, a melodia.

De tarde, a animação era muita e aos pés da igreja havia tanta gente que mal se via, bancas e pessoas não faltavam enquanto o sol ardia, uns passavam, outros desenhavam, eu fiquei-me por quem parecia esquecida, a rua vazia.

4 comentários:

André Duarte Baptista disse...

Sublime . Parabéns

DiasVanda disse...

Devia ser proibido desenhar tão bem! eheheh

João Santos disse...

Um espetáculo, aquele primeiro estão, com a predominância dos azuis, ficou um assombro

Membro USK disse...

Belos desenhos
Leonor Janeiro