Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sábado, 29 de novembro de 2014

Alfabeto Lisboeta: I de Igreja

Hoje foi dia de voltar ao Alfabeto Lisboeta, desta vez para o I de Igreja, na Igreja de S. Domingos. Já foi a maior igreja de Lisboa, quando foi construída no século XIII, mas dois terramotos forçaram a reconstruções que a tornaram numa igreja barroca. Um incêndio em 1959 destruiu o interior da igreja e a recuperação deixou bem visíveis as cicatrizes do fogo. Por isso, o interior é desconcertante...

A primeira proposta da sessão de hoje foi desenhar o contraste da pedra, tal como ficou depois do incêndio, face ao resto do interior. Para assinalar esse contraste, usámos lápis de cera para representar a pedra. Uma hora depois, cheguei a este desenho:


No exterior da igreja, o Largo de São Domingos é uma encruzilhada de Lisboas muito diferentes. A proposta foi representar esses mundos paralelos, com desenhos diferentes na mesma dupla-página. Usei materiais diferentes para cada ponto de vista - lápis, caneta e aguarela, caneta e lápis de cera:

5 comentários:

Maria Celeste disse...

...uma bela resposta ao desafio proposto pelo Zé Louro...

teresa ruivo disse...

Gosto especialmente do primeiro. Ficou mesmo giro!

Rui Grilo disse...

Obrigado a ambas. Também gosto mais do primeiro, embora o segundo tenha sido muito divertido de desenhar.

Filipe Pinto disse...

Vistos ao vivo ainda são melhores.

José Louro disse...

dá gosto!