Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Desenhar o Jazido dos Duques de Palmela

 
Programado por Rosário Félix no dia 17DEZ16, fomos desenhar o Cemitério dos Prazeres que se situa no Campo de Ourique.
 
Foi-nos destinado "estudarmos" o majestoso jazido do duque de Palmela.
 
Comecei o meu registo pelo exterior do mausoléu pela vista  posterior  Após ter tirado os apontamentos,  verifiquei que necessitava de algumas informações  gentilmente prestadas pelo Dr. Licínio Fidalgo.
 
Iniciei o desenho pela a parte posterior do monumento, conforme mostra a figura seguinte:  
 
 Fig1. Jazido do Duque de Palmela
 
 
ESCULTURA DE FRANCISCO de PAULA A.SEQUEIRA , colocada no topo de uma pirâmide truncada.
 
 
 Fig 2. Símbolo da religião -  a Fé.
 
 
Na imagem (fig.3)damos conta de quatro colunas na atualidade
.  
                                                   Fig, 3. Entrada principal do jazido


No início da construção como o documenta atesta, apenas estão colocadas duas  colunas. Dois leões retirados das colunas foram transferidos e colocados num outro Palácio dos Duques de Palmela, sito em tempos, na que é hoje, a Procuradoria da República, próximo da Escola Politécnica.


Fig. 4 . Entrada principal do jazido no séc. XVIII
 

                                 Fig. 5. Os brasões da família do Duque de Palmela e
outros  apontamentos decorativos


                                           Fig. 6. Um aspeto de gradeamento em ferro maciço e forjado


 Muito ficou por  pesquisar, registar e desenhar. Possivelmente numa ocasião futura. Espero poder ver o interior do mausoléu.

 
Antes de encerrar esta descrição manifesto o meu agradecimento pelo atendimento e  informações cedidas  pelo pessoal desse cemitério muito especialmente o Dr. Licínio Fidalgo.
 
Igualmente evoco a Rosário Félix na colaboração desse encontro  via Campo Vivo assim como na escolha de um tema  que afinal não se esgota, tem o seu interesse e revela-nos passagem de figuras importantes nas suas diversas facetas da vida e na sociedade. Obrigada, Rosário.
 

2 comentários:

Rosário disse...

Obrigada Zeta! Um trabalho lindíssimo!

zeta disse...

Obrigada Rosário. Só tive oportunidade de registar o exterior. Considero inacabado o trabalho que numa outra oportunidade (talvez em Janeiro prx) irei completar. Deixo aqui expresso os meus agradecimentos ao pessoal em serviço no Cemitério que me deu as indicações, incluindo o Sr. Dr. Lícinio Fidalgo que se disponibilizou para informações de esclarecimento. Não gosto de visitar aquele local, mas foi boa escolha e aposta de investigação. Foi um reviver dos desaparecidos que nem sempre são evocados mas sim eternamente esquecidos.