Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

desfila aqui o mundo

e eu entre o CCB (onde fugi da exposição de fotografias de arquitectura do Fernando Guerra, que chega a meter nojo de tão culto-da-personalidativo, e mal iluminada, que é) e a eterna linha verde.

Follow Your Senses

Follow your senses é o (excelente) nome do workshop do Nelson.
Todos os (500 e tal) participantes se distribuem pelos respetivos workshops identificados pelo letreiro que foi distribuído a cada monitor. Segue-se um passeio até ao local do crime, onde o monitor dá as primeiras explicações sobre o workshop. Um sucesso.



Recriação da batahla do Vimeiro


 No adro da igreja do Vimeiro, sketchers em ação, treinando para perpetuarem nos seus cadernos a ,recriação do confronto entre as tropas francesas e anglo-lusas. Entre eles, Maria João Quintino, Luís frasco e Ana Ramos.
Depois do almoço o "batalhão" do Oeste Sketchers, foi conduzido até ao outeiro do Vimeiro, para participar noutros desafios. É aqui que se encontra o Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro, que possibilita , através de uma grande janela envidraçada, a observação do local onde se confrontaram os exércitos Anglo-Luso e Francês, no dia 21 de Agosto de 1808. As forças Anglo-Lusas comandadas pelo tenente-general Sir Arthur Wellesley e as forças francesas comandadas pelo general Jean-Andoche Junot. Foi aqui, no topo das escadarias viradas para o campo de batalha que fiz este desenho.

Pritzker Auditorium

Hoje era um filme. Amanhã um concerto.
Todos os dias há animação neste fantástico auditório ao ar livre, desenhado pelo Frank Ghery.
Acho que sou insuspeito porque não gostei nada do projeto mas, aqui chegado, fiquei imediatamente rendido. É mesmo boa arquitectura.
Do correspondente USkP em Chicago.


Peniche



No mês passado fui para o Baleal durante uns dias e fiz uns registos em Peniche. O meu problema em conjugar surf/desenho é o mesmo com o comer/desenhar. Como estou sempre com fome, não consigo desenhar primeiro e comer depois. (ponto) Já fiz as pazes com isto…

Um outro assunto. Está aí à porta a edição 2017 do Nós e os Cadernos. Podem ver aqui o programa e as comunicações que serão feitas já a partir de amanhã às 21h30. Apareçam!!

Peniche, Portugal, 24.06.2017
avista.naocoisas.com

Lisboa

Em casa de uma amigo na Vila Berta
Marcador : Caneta de Feltro

Vídeo - A História do início dos Urban Sketchers pelo fundador Gabi Campanario


Gabi Campanario - Key Note Speaker - 8SimposioUSk2017


A comunidade de Urban Sketchers celebra 10 anos de actividade no 8º Simpósio Internacional dos Urban Sketchers, em Chicago, nos Estados Unidos da América.

Tal como o Pedro Cabral relatou no seu último post de ontem, a História do início da comunidade de Urban Sketchers foi contada pelo fundador Gabi Campanario, na sessão de abertura simpósio, onde estão presentes mais de 550 participantes de 34 países. O seu discurso, recheado de presença Portuguesa, está disponível no canal de You Tube dos Urban Sketchers Internacional.

A minha vida mudou para sempre para muito melhor desde que apareci naquele dia inesquecível, em 2009, e fui convosco no metro, desde o Cais do Sodré até Telheiras, tentando desenhar pessoas.


Obrigada Gabi e Fundadores dos Urban Sketchers Portugal!
Parabéns Urban Sketchers!





Abertura do 8 Symposium USk em Chicago

De emoção em emoção.
Numa assembleia com mais de 500 participantes, de 34 países, com tantas caras conhecidas e outras tantas por conhecer é emocionante ouvir o Gabi Campanário contar a história dos comos e porquês do início dos USk, há precisamente 10 anos. E da importância que a participação portuguesa sempre teve. E o impacto, a nível mundial que o movimento tem. Tantas pessoas que começaram/recomeçaram a desenhar e a gostar de desenhar com a ajuda dos USk. E como se espalhou por todos os continentes, por todos os países, por todo o mundo. E o contingente português sempre na vanguarda.
Momentos inesquecíveis são também quando sketchers absolutamente desconhecidos ao verem o meu nome se apresentam dizendo que há anos seguem, com gosto, os Bonecos de Bolso (aí o meu ego sobe mais alto do que devia). 
Não dá para fazer desenhos mais compostos, mas aqui fica a notícia. Sobram as fotos e os filmes no canal youtube.
O correspondente USkP em Chicago.


Estrelando

Primeiro o João Catarino e depois o Nelson Paciência estiveram sendo filmados para uma apresentação dos monitores de wokshop. Brevemente num youtube perto de si.
Ambos estiveram muito bem. Muito melhor do que aqui está representado. Reconheço que o retrato não é a minha especialidade mas também cada entrevista não demorou mais do que três minutos.


Abertura do 8 Symposium USk Chicago

Finalmente!!!
550 participantes, 34 países, incontáveis desenhos.
E em direto no canal youtube.



quarta-feira, 26 de julho de 2017

ENcosta: Bairro Reis

Uma escada parte do antigo Matadouro Municipal e serpenteia a encosta. Subir cada degrau sem parar, é um verdadeiro desafio ao coração.
Lá em cima era tudo mais plano. O Bairro foi construído num planalto para os trabalhadores do matadouro. Cada frontaria estava repleta de plantas vistosas. As pessoas acolheram-nos com carinho e simpatia.
Eu fiquei a desenhar a rua enquanto a Suzana foi retratar a Senhora Domingas. Já estava a meio do desenho quando da primeira Janela surgiu a Dona Maria do Carmo. Tinha de arranjar forma de a integrar no desenho.Surgiu assim uma janela fantasma no céu. Levantei-me e fui-lhe mostrar. Ficamos um pouco à conversa. Explicou-me que o seu marido tinha construído o barracão. Na altura era bombeiro e tinha muito jeito para arranjar coisas. Entretanto faleceu e o barracão ficou ao abandono.
Do outro lado a rua é mais um largo onde cada um estaciona o seu carro, O mais interessante é que no meu desenho o que chamou a atenção dos residentes foi uma pequena mancha amarela: "Que bonito, até desenhou o meu passarinho" disse uma das senhoras. Sabe bem perceber que é nas pequenas coisas que podemos fazer a diferença. Nesta altura era muito comum deixar de ver a Suzana. Quando isso acontecia sabia que estava na casa de alguém. Os meus desenhos despertavam sorrisos mas os retratos dela iam descobrindo o interior de cada um. Eram retratos demorados como muita conversa. E a Suzana era uma boa ouvinte.



ENcosta, os meus 10 minutos

22 de julho, 19:45 ..... E quando todos vão embora, os 10 minutos de reflexão...
 
 
Ermida Nossa Senhora do Ameal, a partir do carro, depois de um dia cheio

Algures fora de Chicago

Quem não pode ir a Chicago, desenha outra coisa e regala-se pelo youtube

8 USk Symposium 2017

Já abriu o HUB (centro) do Symposium. É no ginásio da Universidade, todo alcatifado, acadeirado e amesado para o efeito. Há várias mesas com o mais diverso material de desenho para venda e, neste ambiente de sketchers, há sempre quem perca a cabeça e compre mais uma quantidade de coisas.
Houve uma RN geral para monitores de workshops, correspondentes e organizadores. Por enquanto ainda não há sketchers propriamente ditos. Apresentado o programa definitivo, tão preenchido que o único (e muito grande) problema é a escolha.


Cloud Gate, outra vez.

O "feijão" é mesmo magnético, como diz a Rita Catita Afonso. E de facto todos cá voltam, todos aqui se encontram e todos aqui desenham. Inimaginável a quantidade de páginas de diários gráficos com imagens do Cloud Gate do Anish Kapoor.

Rita Catita Afonso e João Catarino

Nelson Paciência 

Preeti Hegde (instagram: preetyhegde )
... e tantos, tantos outros.
Do correspondente USkP em Chicago.

So Long Frank Loyd Wright

Toda a gente cantarolava a música dos Simon & Garfunkle.
Foi uma visita especial à Robie House, organizada para os USk antes do Symp e enchemos a casa.
Mais do que as vistas exteriores foi emocionante experimentar os espaços e as arquiteturas que não se sentem em desenhos nem em fotografias. Marcante.


Robie House

A Casa fica meio tapada pelas árvores que cresceram mito mas lê-se perfeitamente a grande horiontalidade, as cores de terra e os enormes "beirados" em consola.
Um dos projetos mais marcantes do Frank Loyd Wright.


Sketch Tour Portugal - Açores #12


Angra é uma cidade muito interessante.Depois do Algar do Carvão combinámos com o Emanuel Felix (Sketcher da Terceira), aproveitei para desenhar um império com despensa integrada.



A nossa passagem pela Terceira foi paricularmente marcante, finalmente conheci o Emanuel Felix que foi um excelente anfitrião e nos recebeu de braços abertos.
No final da noite saimos à rua para desenhar as Festas Sanjoaninas. Não ficámos muito tempo porque tinhamos de acordar cedo para apanhar o avião rumo ao Pico.

(Cont.)

(Caneta caligráfica, lápis de cor, carimbo, grafite e aguarela)                                                  mais aqui:     «in situ»

A caminho da Robie House

Ainda não começou o Symposium e já é assim no autocarro: Em cada banco um sketcher, cada sketcher um caderno, todos a desenhar.


terça-feira, 25 de julho de 2017

ENcosta: A incrível história do Chico das Medalhas.

Estava a terminar o desenho das casas 49 e 49A quando chegou  o Sr Francisco Vicente (Chico das medalhas para os amigos). - Eu moro nessa casa; disse enquanto apontava para o 49A. E continuou: -Estão perante o homem mais medalhado do mundo. Convidou-nos a entrar para podermos ver os seus troféus. Encontrámos uma divisão repleta de taças desde o chão até ao tecto distribuídas por prateleiras que ocupavam as paredes. Enquanto a Suzana lhe fazia o retrato contou-nos a sua história. Eu fui desenhando  as taças até não caber mais nenhuma no caderno.
Disse-nos que começou a correr aos 54 anos para perder a barriga e logo nesse ano ganhou uma prova. Desde essa altura que tem percorrido mundo. Vai com patrocínios claro porque, como ele diz, se tivesse que pagar 20 euros pela viagem não tinha. Aos 81 anos tinha ganho 81 medalhas de ouro um pouco por todo o mundo, uma por cada ano de idade, sublinhava ele. Com a alcunha de "o papa medalhas que veio do espaço" são raras a corridas em que não fica em primeiro. Hoje tem 84 anos e gaba-se de ter terminado uma prova com 15 minutos de avanço do segundo classificado. Isso gerou desconfiança entre participantes que acharam que ele tinha feito batota. Mas logo ali os desafiou a correrem novamente. No seu discurso nunca lhe faltou energia e boa disposição. Dificultou bastante a vida à Suzana pois estava sempre a levantar-se para mostrar mais uma medalha.

Encontrei uma reportagem do EXPRESSO quando tinha 81 anos. Alguma informação é ligeiramente diferente da que escrevi, mas eu eu ouvi em primeira mão pelo que é essa que considero verdadeira.


O Sr Francisco Mora na casa do Lado Direito
Momento registado pela Suzana Nobre que estava a desenhar ali ao lado.
As taças, as medalhas e os ténis. 1933 data em que o Sr. Francisco nasceu.