Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Rio Gilão

Gosto de Tavira e, apesar de quinta feira passada estar um pouco cinzenta, ainda deu para fazer este sketch e para apreciar a imagem dos reflexos no rio Gilão.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

MÚSICA EM MEDICINA 2020


Durante 2019 os Urban Sketchers de Portugal colaboraram com o Instituto Português de Oncologia no projecto MÚSICA EM MEDICINA, que visa promover a humanização de uma Enfermaria de Oncologia. Este projecto passa por levar músicos ao IPO , de modo a haver um concerto mensal na enfermaria, ao qual assistem profissionais de saúde e doentes. Esses concertos acontecem sempre na última 4ª feira de cada mês, das 12h às 12h30.
A iniciativa tem sido tão frutuosa, e a nossa colaboração tão apreciada, que o IPO pediu que continuássemos a colaborar durante 2020. Para isso, em cada mês, deveria continuar a haver duas ou três pessoas a desenhar cada concerto e a oferecer os seus desenhos originais para  virem a ser leiloados, com o objectivo de  ajudar na sustentabilidade financeira do projecto.

Quem quiser ajudar e tiver disponibilidade, poderá enviar ATÉ 20 DE DEZEMBRO o seu nome, o mês  da sua preferência e, se possível, mais  2 meses em alternativa, para o mail teresa.ruivo@netcabo.pt
Vamos continuar a ajudar?
 

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

MarSP Project

    

Fui assistir ao scribing que a Vanessa Branco fez -in situ- para o MarSP Project - Macaronesian Maritime Spatial Planning. Saí do Teatro Micaelense cheia de orgulho nos Urbansketchers Açores.

(Lápis de cor, caneta califráfica, grafite e Aguarela)                                                                                                                                          «insitu»          

A Riscar de Vai ao Longe

Acaba já este domingo o ciclo de oficinas A Riscar se Vai ao Longe, no Edifício Arte Contínua.Foi uma experiência muito gratificante. O sítio é lindo, e com os desenhadores por lá espalhados, ainda fica melhor.
Para o ano há mais:)

Palácio da Regaleira


sketchbook therapy


chuba, chuba, chuba, chuba, chuba, chuba..................!

À espera


quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Desafio 106 - Desenho táctil

O Desafio 106 é um desafio à imaginação. Como fazer em duas dimensões um desenho táctil. No dicionário: 1.Palpável, tangível, tateável 2.Do tacto ou a ele relativo 3.Que permite o toque com os dedos

Até 25 de Dezembro

Atenção às regras, nomeadamente à etiqueta: Desafio106 (sem espaço). Lembramos que quem tiver mais comentários (não valem os repetidos, nem do próprio, nem de anónimos) o seu desenho vai para o cabeçalho no próximo mês. 


Embaixada. Principe Real

Antes do Power Point...

... usavam-se desenhos para apoio das aulas de arquitectura.
Alguns desses desenhos (dos melhores) estão desde ontem e até 2020-02-21 expostos no Grémio Literário, R Ivens Nº37, em Lisboa. Desenhos maravilhosos. A não perder.
DESENHOS DIDÁTICOS DE JOSÉ PEDRO MARTINS BARATA

Enquanto ela acerta a franja

Em Castelo Branco, a desenhar o que estava à minha frente, enquanto esperava pela Nini, que tinha ido cortar a franja, o que demora para aí uns 10 minutos. Mundo muito complexo este do cuidado capilar feminino, onde, em lugar de se cortar todo o cabelo, a coisa faz-se por secções. Há uns tempos atrás, num acto meio tresloucado, a Nini pediu-me a mim para lhe acertar a franja. Disse que se sabia desenhar também deveria conseguir dar uma tesourada a direito. Eu não achei boa ideia, mas ela insistiu... eu tinha razão...


quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Vista da Assembleia.

«A Minha Primeira Audição 2019»

Há já vários anos que o Conservatório de Música do Choral Phydellius, de Torres Novas, organiza o evento «A Minha Primeira Audição». Nesta audição, muitas das crianças da iniciação, fazem a sua primeira apresentação ao público (na sua grande maioria, familiares), quer executando os instrumentos que estudam, quer no coro.


O momento que registei, foram os instantes que antecederam o espectáculo, em que os "meninos do coro" esperavam sentados o inicio da sua "primeira audição".

Portaram-se lindamente, e estão todos de parabéns!

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

À espera


56º Encontro de Diários Gráficos USK Açores | Dia Internacional do Chá

Domingo dia 15 de dezembro,  das 14:30 às 17:30, os  Urbansketchers Açores  comemoram o DIA INTERNACIONAL DO CHÁ com uma visita orientada por Pedro Pascoal de Melo (*) à Gorreana, uma produtora de chá de primeira classe e de reconhecimento internacional.
«A Gorreana enquanto plantação, fábrica e museu, é o local idilico para degustar uma chávena de chá ao mesmo tempo que se pode apreciar as máquinas Marshall originais datadas de 1840 ainda em funcionamento na fábrica. O cheiro do chá fresco e das flores que circundam a propriedade associados à vista deslumbrante sobre o mar azul e o verde inebriante das montanhas constitui um autêntico paraiso tão peculiar como o chá das nossas plantações que deve as suas características únicas ao nosso clima, ao PH do solo argiloso, ácido e rico em minerais e, claro, à briza maritima que cai sobre as plantações e aos métodos de cultivo artesanais. São essencialmente estas as razões pelas quais o único local onde se produz chá na Europa há mais de um século é aqui nas plantações Gorreana na inebriante ilha de São Miguel.»
*Pedro Pascoal de Melo (Ponta Delgada, 1961). Licenciado em Estudos Portugueses (U. Açores) e em Património Cultural (U. Açores), Pós-Graduado em Património, Museologia e Desenvolvimento (U. Açores). Membro do Instituto Cultural de Ponta Delgada. Investigador na área do Património, Arte e História local. Tem desenvolvido trabalho sobre a História do chá nos Açores, nomeadamente sobre as fábricas da Mafoma e Gorreana.*Pedro Pascoal de Melo (Ponta Delgada, 1961). Licenciado em Estudos Portugueses (U. Açores) e em Património Cultural (U. Açores), Pós-Graduado em Património, Museologia e Desenvolvimento (U. Açores). Membro do Instituto Cultural de Ponta Delgada. Investigador na área do Património, Arte e História local. Tem desenvolvido trabalho sobre a História do chá nos Açores, nomeadamente sobre as fábricas da Mafoma e Gorreana.


Panorâmica

Mais uma panorâmica feita em Ponta Delgada. 

A árvore podada

Árvore podada na estação de Santos