Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Paço de Arcos - Zona velha

Sem querer ir para longe, fiquei muito perto, pois a vontade de desenhar era muita. Estes edifícios ficam na zona velha de Paço de Arcos, mesmo em frente ao Mercado e Correios, são edifícios muito antigos e sem qualquer tipo de manutenção ou melhoramentos.


quarta-feira, 22 de novembro de 2017

É assim

Por vezes nada mais há a dizer senão o que nos fica à frente do caderno...

Arezzo





A Igreja de S. Domenico onde se encontra o Cristo de Cimabue.

A Isa comentou este desenho e eu respondi-lhe com algo que sinto muito, passo a transcrever: " Creio que quando nos identificamos muito com um lugar e com a sua envolvência e temos tempo, os desenhos tornam-se mais simples e mais soltos. Tive perto de 1h e 1/4 a fazer este desenho."



COMPOSTELA ILUSTRADA (5)


No domingo de manhã, último dia do evento "Compostela Ilustrada" a praça da catedral foi palco de um Sketchcrawl final com todos os participantes.

Outono


No Outono os platanos e os liquidambares tomam cores fantasticas que fazem de qualquer simples caminho uma festa para os olhos. Foi assim que me atrevi a rabiscar muito rapidamente este cenário. Leonor Janeiro

Viagens atrasadas I

Muito atrasados os meus desenhos de viagens... falta de tempo e alguma desorganização não têm ajudado, a ver se ponho tudo em dia.
Mais publicado Aqui







Sketchwalk Mundial no Bombarral - 10 anos de USk


Os Urban Sketchers andam na rua a mostrar o mundo a todo o mundo há 10 anos e para celebrar a ocasião, o grupo Internacional convocou um Sketchwalk de 24 horas e lançou o apelo a todos os grupos regionais espalhados pelo Mundo. As várias fotos foram correndo o mundo através da conta de Instagram e os OesteSketchers tiveram tempo de antena entre as 12:30 e as 12:45. Desde já um grande bem-haja aos voluntários que tornaram esta divulgação possível.


O local escolhido foi o Bombarral, uma bela vila típica da região Oeste, cerca de 60km de Lisboa, terra de vinhedos e de Natureza que tão bem caracteriza a nossa região. Eramos cerca de 30 desenhadores e aguarelistas quando às 10h após uma breve introdução ao encontro por parte dos nossos coordenadores e do Vice-Presidente da CM Bombarral Nuno Vicente que começámos avidamente a trabalhar junto à Estação de CF.


Reportagem do evento pela CM Bombarral aqui: www.cm-bombarral.pt/Um-dia-a-desenhar-o-Bombarral

A parede tutti frutti

Grande mistura de cores na fachada desta casa abandonada em Paço de Arcos. Imagino a quantidade de vezes que terá sido pintada.

Piscina do Porto dos Batéis - Feteiras

Em dia de pescaria, encontrei a Piscina das Feteiras completamente destruída. Ainda assim, sentei-me naquela fajã a desenhar...

(Aguarela, grafite, caneta caligráfica, carimbo e lápis de cor)                                                                                                  mais aqui:    «in situ»

Paço de Arcos - Praia nova

Da Esplanada da Praia nova, a vista para a Direcção de Faróis,  o Tejo com a ponte 25 de Abril, e as duas margens.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Urban Glass

Entretanto, na hot shop do Urban Glass, várias equipas continuam a trabalhar.
Soprando o vidro, rodando, moldando... sempre à frente de uma fornalha (glory hole) onde se vai reaquecendo periodicamente a peça.

COMPOSTELA ILUSTRADA (4)

Santiago vista a partir da janela do Hotel.

Arezzo



Um dia passado em Arezzo, cidade de que muito gosto. Há muito a ver e, a maior parte das pessoas, ficam pelo Piero della Francesca mas, eu vou lá, especialmente para, na igreja de S. Domenico, encontrar o Cristo de Cimabue, uma das obras de arte que mais venero.

Paço do Lumiar

O Paço do Lumiar fica perto de minha casa. Eu e a Fefa resolvemos ir lá num intervalo dos inumeros afazeres que temos e escolhemos o Largo de São Sebastião. A nossa tarefa foi subitamente interrompida pela chegada de muitos carros que vinham apanhar os alunos do colegio. Vamos lá voltar a meio da manhã para não termos surpresas e antes que a chuva apareça.
Leonor Janeiro

Lisboa que vai mudando IV


Continuando a descer a Rua de São José, chego aos números 138-140. Um edificío que tem a bonita leitaria "A Minhota", referenciada nas Lojas com História. O azulejo exterior é lindíssimo. Existe desde 1927.
A casa está um pouco desleixada, sem a preocupação de melhorar as montras. Não costumo ir lá beber café, sendo mais um ponto de encontro das pessoas mais velhas do bairro.
Faz esquina com a rua do Carrião e local de passagem de muitas pessoas, turistas e quem trabalha por aqui. O prédio ainda é habitado.

O que mais vejo do meu sofá à noite

e no meu intervalo para almoço 


No diversificar é que está o gozo :)

Um dia dedicado ao desenho de formas bem diferentes. De manhã estive na apresentação da Celeste Vaz Ferreira, onde nos mostrou como vive a sua paixão pelo desenho. No fim do almoço, com algumas colegas da manhã, ainda puxamos do material para rabiscar um bocadinho. Da parte da tarde acompanhei a colega de desenhos Elsa Cunha numa visita à exposição dos Dinossauros na cordoaria Nacional. Ficou muito aquém na expetativa de qualidade mas foi divertida e deu para desenhar um pouquinho, e ainda aprendi um pouquinho sobre os bichos pois a Elsa revelou-se uma verdadeira conhecedora :) Atenção que andam unhas trocadas por dentes de herbívoros nas vitrines de exposição eheh!  À noite levei o meu sobrinho mais velho ver um concerto do duo de guitarra clássica, MikroDuo na casa da América Latina.
Ficou o registo de tudo, de formas bem diferentes!

Mais publicado Aqui










Viagem à Madeira

Na sequência do meu post anterior continuo aqui a reportagem da minha Viagem à Madeira no final de Outubro . Depois do dia da Levada da Ponta de São Lourenço o cansaço já apertava e fomos descansar que bem merecíamos. 

Estávamos alojados num pequeno apartamento bem no centro histórico do Funchal na Rua da Cadeia Velha que no fundo era uma rua para onde davam as traseiras dos edifícios das ruas mais movimentadas que a ladeavam. Ali meio protegido do reboliço urbano matinal, fiz este desenho da janela do nosso quarto/sala/cozinha com vista para o largo de pelourinho, ponto obrigatório de passagem para pegar no carro estacionado uns metros mais à frente.


Desta vez a levada escolhida foi a do Rabaçal/25 fontes e para lá chegar nada melhor que um Clio num caminho municipal mais íngreme que sei lá, com dois sentidos mas onde só passava um carro de cada vez. Depois desta descarga de stress que tenho sempre que me meto num carro por estes caminhos manhosos, nada melhor que andar a pé que é sem dúvida das coisas que mais adoro fazer. Lá fomos para uma das levadas mais esperadas que nos recebeu com vacas a beber água directamente das nascentes e com mini lagoas como a que desenhei na esquerda. Ainda não tínhamos visto nada e já estava a ser incrível. 2 km depois chegávamos à Casa do Rabaçal que oferecia um pequeno refúgio e água a preços exorbitantes para os mais desesperados. Ao caminharmos mais um pouco, comentei que a Madeira era muito bonita mas que ainda não me tinha deixado verdadeiramente boquiaberto até que me deparo com a Cascata do Risco... e imediatamente retirei o que tinha dito! Depois de contemplar esta maravilha com todo o tempo do mundo, rumei ao ex-libris da levada, a queda das 25 fontes que é igualmente de cortar a respiração, mas desta feita sem bloco na mão porque o caminho tornara-se bem mais exigente.

Todos os desenhos e reportagem no meu blog, aqui.

Paço de Arcos

Junto ao mercado

Museu do Carmo, com Celeste Ferreira



Esta ficou desfocada, mas mesmo assim ficou o registo do grupo com novos e jovens  candidatos a Sketchers!