Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

domingo, 30 de agosto de 2015

32.º / 39 - Mação

Seguir em frente foi bom conselho a sangue frio,
Tentar esquecê-la deixou-me completamente vazio.


Workshop com Eduardo Salavisa no Atelier Vieira da Silva

 

 


As duas propostas que o Eduardo nos apresentou. Difíceis, mas é sempre bom sair da nossa área de conforto.

O tempo concedido é que, para mim, nunca chega para o tempo do olhar e do registo.

Mas aproveitei o máximo que pude e deu-me imenso gozo apesar do calor que, ao sol, se fazia sentir.

Coimbra: Ainda a Biblioteca e o Museu de Ciência com tantos bichos maravilhosos...


Mais um desenho da Biblioteca Joanina, em Coimbra. A visita foi tão rápida que tive tempo para depois me "perder" em desenhos e fotos no Museu de Ciência, que para além de exposições de química e física no edifício do antigo Laboratório Chimico ainda tem várias salas com uma incrível colecção de bicharada na secção de Zoologia. É mais um daqueles sítios no qual poderíamos ficar a desenhar durante dias sem parar ;-)

Só têm até 11 de Outubro para ir lá descobrir de onde vem a ideia do actual "Grupo do Risco" dos sketchers e ilustradores científicos Portugueses!

Mais desenhos e fotos AQUI




NO MAC - ENCONRO DOS USKP A 27AGO15

COM BÉLISA MENDES, COORDENADORA DO LUXEMBURGO

Este é  meu contributo através de um dos meus registos daquele dia: na companhia da simpática USK de Luxemburgo - um  Arcossólio Manuelino:

fIG 1. Túmulo dum cavaleiro :Francisco Faria (Séc XVI).

sábado, 29 de agosto de 2015

31.º / 39 - Mação

No mar revolto desta dor sem escusa,
Guiei-me pela luz do farol que vejo na minha musa.


Mais desenhos no Carmo com a Béliza


Naquele local, com a companhia da Béliza e de todo um belo grupo, não se pode parar de desenhar. Os motivos não são mil, são mais e os novos terraços vêm trazer ainda mais razões para rabiscar.

Chamusca


Umas das casas de avieiros, em ruinas, perto da Chamusca...

Uma explanada fixe

Luz e sombra

Vontade de desenhar

Estava eu hoje assistindo a um jogo de futebol na televisão, sentado no sofá, quando me deu uma vontade enorme de desenhar, e assim foi, peguei no diário gráfico e saiu este rabisco.


Pela praia

Este registo não é recente mas decidi partilhar convosco. Ao fim de almoçar, enquanto o sol estava muito forte, fiquei à sombra e aproveitei para desenhar a paisagem.


Florir parte #5


Para além da recompensa de ter milhares de pessoas de todo o mundo virem conhecer e apreciar o trabalho feito, há outro incentivo para os nativos investirem numa boa decoração, com detalhe e execução perfeitas: no final das Festas do Povo de Campo Maior, uma das ruas é nomeada a mais bela da vila.



Por causa disso, algumas das ruas decidiram investir em decoração noturna pela primeira vez. Apesar de as ruas poderem ser percorridas à noite, só um punhado delas foi concebido com decoração noturna, com iluminação adequada e ambientes diferenciados. Isso poderá fazer a diferença no momento em que a rua mais bela for anunciada.

Rabiscos no MAC com a Béliza


Cá ficam estão os meus desenhos no Museu Arqueológico do Carmo. 
Gosto muito da secção da pré-história.






Florir parte #4


Enquanto os residentes trabalham e/ou cuidam das suas ruas e os turistas percorrem as ruas engalanadas de Campo Maior, um outro grupo de nativos trabalham 24 sobre 24, tratando que todos estejam seguros e que as emergências sejam imediatamente atendidas - os Bombeiros Voluntários de Campo Maior.



Carros, ambulâncias e jipes vão e vem sempre que há relatos de emergências. O calor intenso é a causa provável de muitos deles. Alguns bombeiros fazem uma pausa das directas e dos dias longos no exterior do quartel, em bancos abrigados do sol escaldante. Serem desenhados foi, sem dúvida, algo de diferente na sua rotina.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Museu Arqueologico do Carmo





Encontro agradável, depois de me arriscar com uma parede, voltei-me para os que desenhavam...quietinhos...

30.º / 39 - Mação

Ultrapassei outras recusas e o fim de uma longa relação,
Mas não estava preparado para esta escuridão.


Recanto

Abeirando o lago como se espreitasse o seu próprio reflexo está uma das uma das Araucárias no Jardim António Borges. A frescura do local é memorável e serena.

(Caneta caligráfica EF, Windsor & Newton Water colour Marker, Faber-Castel PITT artist pen White 101*** a)                                      | «in situ» |

Florir parte #3


Campo Maior está na boca de muitas pessas da região. As televisões transmitem imagens das ruas movimentadas durante as Festas, lado a lado com reportagens sobre o sucesso do município nos sectores económico e social, apesar de que alguns dos locais possam ter alguma coisa contrária a dizer sobre o assunto.



Tais assuntos são parcialmente esquecidos durante as Festas do Povo quando a vila se veste de flores de papel coloridas. Como me disse um simpático nativo, as portas escondem muitos segredos, e o tema da decoração de cada rua é um segredo bem guardado, mesmo até à noite da Enramação. Cada rua escolhe um tema e concebe todos os elementos decorativos de acordo com esse tema. Pode ser um tema mais genérico, como laranjeiras ou cerejeiras, mas algumas ruas apostam em decorações específicas e da moda, como a rua que se decorou com o ambiente do filme Frozen.



As pessoas que mal conhecem a vila perdem-se com facilidade durante as Festas, porque as decorações cobrem muitos dos marcos reconhecíveis e pontos de orientação tradicionais. Só em largos e jardins se consegue recuperar a orientação. Tudo para cima do piso térreo é ocultado pelos tectos de flores. Estes dispositivos são responsáveis por muito do carácter das ruas engalanadas, filtrando o sol e criando desenhos de sombra texturados no pavimento.

Uma manhã de nevoeiro, com Béliza Mendes

Não podia ir ao encontro da parte da tarde, mas não quis deixar de responder à iniciativa da Béliza. Assim, fui ter com ela de manhã ao Terreiro do Paço,  onde ela fez um belo desenho. Fomos ainda desenhar no Martinho da Arcada e no Mercado da Ribeira. Fica (mesmo muito torto!) um dos desenhos que fiz, nesta manhã de nevoeiro, só para assinalar o dia...


Encontro com Beliza Mendes dos USk do Luxemburgo






Foi mais um dia maravilhoso e inesquecível. O encontro do nosso grupo com Beliza Mendes, coordenadora dos USk do Luxemburgo, valeu mesmo muito. Obrigado a todos os presentes e em especial à Beliza, pela sua grande simpatia e pela sua arte bem expressa no diário gráfico que encantou todos os que o viram. Boa viagem de regresso e até breve.

Fábrica Cervial Alvarães Minho



Uma fábrica outrora notável, hoje apenas muito desenhável. 
Alvarães, Viana do Castelo.

Desenho em toalha de mesa

Num restaurante de Lisboa, desenhado na toalha de papel.


Fui à praia do Torel


Ontem na pausa de almoço resolvi dar um pulo à famosa praia urbana no jardim do Torel, no centro de Lisboa. Já conhecia o miradouro e o espaço que abre as vistas para a colina do Bairro Alto e Avenida da Liberdade, mas agora vi um local bem diferente. Apetrechado com nova esplanada, o lago cheio de água, miúdos a nadarem e adultos a apanharem sol na areia ou à sombra dos chapéus de um banco deste Milénio. Não faltava o chuveiro e nadador salvador que captei no meu desenho. Tem também uma pequena biblioteca. Serve muito bem quem não pode ir até às praias da Linha ou da Caparica.
Escolhi um local quase à sombra e logo um agente da autoridade se colocou à minha frente para aproveitar também a sombra. Ele perguntou-me se não estorvava. Disse que não e acabou também por ficar na moldura.
Colori ainda no local e no fim fui mostrar ao polícía. Ele ficou supreendido porque tinha pensado que estava a fazer algum levantamento de dados para a Junta de Freguesia ou da Câmara. Disse-lhe que já me tomaram por funcionário camarário quando desenho nas diversas ruelas desta bela cidade.
Apetecia um mergulho com o calor que estava. Voltei ao trabalho.

Grande Reportagem sobre os USkP na revista Tabu do Jornal Sol


Grande Reportagem "O mundo aos olhos do desenho", da jornalista Inês Marinho e  do fotógrafo José Fernandes, na Revista TABU (jornal SOL) publicada hoje sobre os Urban Sketchers Portugal no Encontro USkP no Cais Palafítico da Carrasqueira no dia 22 de Agosto de 2015.
LER AQUI

Pedaços do Carmo


Com Béliza Mendes

Encontro Museu do Carmo com Béliza Mendes

 

 

Mais um óptimo encontro num local único.

No Museu do Carmo...

...com Béliza Mendes do Luxemburgo!

Encontro no MAC com USk do Luxemburgo - Fotos de Grupo

Para mais tarde recordar, aqui ficam as fotos de grupo de mais um animado encontro no Museu Arqueológico do Carmo, dos cadernos e de um dos desenhos da nossa convidada Béliza Mendes, uma das coordenadoras dos USk do Luxemburgo

Obrigada a todos por aderirem e à equipa do MAC por nos receber entusiasticamente! 

Por graça publico também uma foto do "verdadeiro" dono do sítio... Não tive tempo para rabiscar o charmoso e muito graficogénico Nuno.




Caderno da Béliza Mendes

Gato do MAC, o Nuno


quinta-feira, 27 de agosto de 2015

No Carmo com a Béliza

O Nuno, o gato, parecia que não ligava nenhuma, afinal estava ali, mesmo à nossa frente, a pedir que o desenhassem.

No próximo sábado sou eu na Casa-Atelier Vieira da Silva. Ainda aproveitei para desenhar um exemplo da proposta que vou fazer. O desenho serve para compreendermos as coisas, ou, não conseguimos desenhar sem as compreendermos. Fiz um exemplo muito simples.

Boa viagem Béliza!



29.º / 39 - Santarém

Em mim caiu noite escura e deflagrou uma tempestade,
Um redemoinho sugou-me ao revés da minha identidade.


Modelo...


Se o modelo parasse seria «mais fácil»

(Caneta caligráfica EF, Windsor & Newton Water colour Marker, Faber-Castel PITT artist pen White 101*** a)                               | «in situ» |