Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

encontro em Aljezur



um sábado de calor imenso  e no entanto
que refrescados andamos
pelo castelo
pelas margens da ribeira
pelas ruas da aldeia antiga

a gente desenhando
a gente a querer imitar os deuses






Desenhar em Pombal

Como a atividade que tinha em Coimbra foi adiada, tive de arranjar outra coisa com que me entreter e este evento em Pombal veio mesmo a calhar :). A Anabela Ferreira, uma urban sketcher de Pombal, foi convidada pelo município para fazer uma exposição e dinamizar uma atividade sobre o seu trabalho durante esse dia. E assim foi, tivemos a inauguração da exposição de manhã, com uma visita turística dinamizado pelo Museu Municipal de Pombal, um picnic no Castelo e da parte da tarde uma atividade com workshops de desenho. Um dia bem passado, numa cidade que recebe muito bem :) E ainda levei uns ótimos"beijinhos" de Pombal.
Mais imagens e desenhos aqui

Fotos de Anabela Fereira







Este desenho ficou em Pombal, juntamente com mais um de cada participante, para juntar-se à exposição.

terça-feira, 30 de junho de 2015

Praia de Santo Amaro

Desenhei como se estivesse a seguir o percurso do meu olhar.

Aljezur - mais uma tranche


 Uns alhitos do mercado para temperar as douradas desenhadas um pouco antes...
 A igreja de Misericórdia que muito bem nos foi apresentada...
Ao Almoço e um pouco antes da chegada das sardinhas que mal chegaram fizeram uma pausa nos desenhos. Apenas tempo para umas quantas personagens...2 vá e umas quantas sardinhas claro..

Encontro Aljezur


Que bem que se esteve em Aljezur

 Foi um fim-de-semana fantástico. Boa companhia, bom tempo, excelentes oradores, boa comida, um grupo com gente bem disposta e, acima de tudo, um acolhimento fantástico por parte da organização. E com tudo isso, não havia desculpas para não se desenhar.





Apoio ao povo grego

Oxi quer dizer não em grego. Ontem em frente à representação portuguesa da Comissão Europeia no Largo Jean Monnet, uma pequena mas boa manifestação de apoio ao povo grego.


Reis e espiões


   Foi no Estoril que, devido à neutralidade portuguesa, uma parte da realeza europeia se refugiou durante a Segunda Guerra Mundial. E o Hotel Palácio orgulha-se ainda hoje não só de ter servido de segunda casa a reis e rainhas mas também de ter albergado espiões britânicos e alemães, dando o mote a escritores e cineastas de mistério e suspense (não é por acaso que um dos filmes de James Bond, "Ao Serviço de Sua Majestade", foi filmado ali). 
   O desenho que aqui trago hoje não tem tiaras nem revólveres. Mas tem todo o encanto do edifício histórico de 1930, conservado na sua elegante simetria, intocado na sua tranquilidade luminosa. Voltar a um congresso num local destes é mais do que unir o útil ao agradável; é roubar um bocadinho de paz aos tempos conturbados que vivemos, saboreando um pequeno oásis de conforto e sossego. Esqueçamos por três dias a crise do euro!


Palácios e Casas Senhoriais de Portugal


Fui convidada a fazer desenhos para ilustrar o livro "Palácios e Casas Senhoriais de Portugal".

Desde Dezembro do ano passado, visitei vinte palácios e casas de norte a sul do país. Com base em desenhos feitos no local, fiz as ilustrações num estilo de "desenhos clássicos de arquitectura".

Na capa um desenho a caneta preta e aguarela, fiel ao estilo também "clássico" Urbansketcher.


 
 
No interior desenhos a preto e branco, como este do Palácio da Brejoeira, em Monção.
 
 
 
 
Vai ser hoje, terça-feira, a apresentação do livro, às 18:30 no Palácio Nacional da Ajuda (que também desenhei). Fica aqui o convite!

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Estação de comboios de Portimão


Desenhos vagabundos

Cheguei a Aljezur no Sábado, eram quase 6 da tarde, mesmo a tempo da fotografia de grupo. Pedi uma cerveja, e enquanto a bebi Portugal marcou dois golos, ainda antes do intervalo. Conversei animado com o Vicente e o Luís Ançã, enquanto o João tagarelava na mesa do lado, rodeado de fãs.
- "Vamos lá a juntar, todos para foto!" 
Fiz-me de distraído, envergonhado por ter chegado àquela hora e não ter um desenho para mostrar.
- "Abre noutra página, uma qualquer, a gente não conta nada ao Eduardo..."
Abri o caderno num desenho do Encontro do Rés do Chão, ao longe parecia mesmo Aljezur, e assim também fiquei na foto. Seguimos para a pousada de juventude da Arrifana, onde íamos dormir nessa noite. Deixámos os sacos, tomámos um banho a correr e seguimos para a escola primária, hoje sede da Associação Tertúlia, que organizou o encontro e tão bem nos recebeu. Comemos frango com grão feito numa panela gigante, e estava óptimo. Trouxemos os pratos para o alpendre no antigo recreio, onde jantámos animadamente, antes das palestras do serão. Foram todas óptimas, sem excepção, mas a estória dos ténis Nike do José Louro, e os desenhos vagabundos do Pedro Cabral e do João Catarino, foram os meus favoritos.
Saímos depois da meia noite, ainda parámos num restaurante na borda da estrada, onde bebemos uma garrafa de vinho tinto do Dão antes de nos irmos deitar.
- "Amanhã acordamos às sete da manhã para ir dar um mergulho à praia, antes de irmos desenhar!", alguém disse, talvez eu.
Houve quem não falhasse nessa combinação, mas eu, que me juntei com más companhias, acordei mais tarde, e acabei por sacrificar uma manhã de desenhos para poder conhecer, finalmente, a praia da Arrifana. A tal praia que o João nos mostrou na noite anterior, em 20 anos de desenhos. Que bonita é a tua praia João, e que lata tens para pedires uma prancha emprestada àquela miúda Australiana, atrasada que estava para ir para Lisboa apanhar o avião...
Depois da praia almoçámos no mato, debaixo de um pinheiro, e abrigados de um sol abrasador. A vista, tal como o calor, tirava-nos a respiração. Desenhar paisagens "não é a minha praia", aliás, fiz apenas dois desenhos neste encontro, mas foi impossível não gostar da sensação vagabunda que o Pedro e o João tão apaixonadamente falaram naquela escola primária...


Na cozinha da casa João do Rio

Mais uma tarde muito divertida em casa da Maria Celeste:
A Leonor falou-nos da sua interessante viagem à Índia e ao Irão, mostrando-nos os desenhos e contando mil e uma histórias fabulosas...
A Inês, filha do Filipe Almeida, "cozinhou-nos" umas tintas ao estilo do Luís Ançã apresentando-as sob a forma de loja a bem dizer "self service" :)
Fiz umas manchas livres e procurei na cozinha elementos com cores ou formas que "encaixassem" nelas.
Obrigada a todos pela companhia e aprendizagem e, em particular, à Celeste que não esconde a alegria de nos receber!
(estreei um caderno feito com carinho pela Marilisa!)




Encontro Nacional Aljezur

Pequeno almoço na Pousada da Juventude de Arrifana

Na tarde de S. João

Vendedora de balões, na Rua do Souto, em Braga, na tarde de S. João

Sketch feito com muito poucos recursos/marcadores... penso que quatro!

Largo do Intendente

Loja do Largo Residências
Marcador Staedtler : Aguarelas

Encontro em Aljezur









Muito obrigada à organização do encontro (em especial à Susana e à Paula), e também ao Hélio, que nos convidou para a mesa redonda do dia 27. Este encontro foi, sem dúvida, "a minha praia". Mais desenhos aqui.

Mais Lisboa




Paisagens de Lisboa histórica, desde o iconico Elevador de Santa Justa, que comodamente nos eleva a uma vista fantástica sobre Lisboa e a subida a pé até ao miradouro de Santa Luzia que nos leva a uma vista ainda mais fantástica sobre Alfama e o Tejo.

Encontro de Aljezur




Aljezur



Mais uma personagem no subterrâneo lisboeta



 

Dupla página de um mini diário gráfico.

domingo, 28 de junho de 2015

Torres Vedras - Os desenhos

 
 
 No dia 11 fomos desenhar para os Cucos, nas instalações das antigas Termas. Tivemos como formadores António Bártolo e Ana Luísa Frazão.
Enquanto o Bártolo explicava os objetivos da oficina...
 

 À tarde, com Ana Luísa Frazão.


 O dia 12 de junho foi bastante exigente, não só ao nível das técnicas, como ao nível de participação. Entre inscritos e alunos da Lusófona, estiveram cerca de 100 desenhadores em Torres Vedras. Para completar a festa, no final do dia, nas conversas (a)riscadas, tivemos o lançamento do livro da Ana Luísa Frazão: Uma semana na cozinha...Confesso que neste dia, só consegui desenhar ao final do dia, na companhia de Ana Frazão, Celia Burgos, Inma Serrano, Clara Marta, Eduardo Salavisa, Rita Santos, Abnose e Jorge. Um jantar produtivo....

 
No Mercado de Torres Vedras a tentar responder aos desafios lançados pela Inma Serrano e Rosário Félix.. a 1ª experiência com lápis de cor..

 O almoço foi na Colmeia, uma vez mais com amigos
 14 de junho, um dia colorido...para contrastar com tristeza de ser o último dia de encontro...
A chuva levou-nos para o claustro do antigo Convento da Graça..

 Mais um almoço entre amigos, aqui no Gordo...
 À porta da Residencial S. Pedro à espera do Lauro, Artur e Marta.

Neste encontro desenhou-se muito património, material e imaterial, mas desenharam-se, sobretudo, novas amizades e novos (re)encontros.
Agradeço a todos, sem excepção o papel determinante que tiveram no sucesso deste encontro. Até sempre