Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blogue só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sábado, 4 de abril de 2020

#WEB OFICINA- UMA CRÓNICA DA QUARENTENA -proposta 13, Teresa Ruivo

Bom dia!
Certamente todos  têm já, nos vossos cadernos, um exemplo da minha proposta. Não descobri a pólvora, nem inventei nada de novo.
 Ainda assim, se tiverem paciência para me aturar neste video durante 8 minutos e 39 segundos, gostava  muito que  viajassem comigo nos meus desenhos  e aceitassem o meu desafio. 
Alinham? Espero que sim!
Obrigada companheiros de aventura e bom  fim-de-semana! 
Eu cá vou fazer as Web Oficinas que tenho em atraso :)
  


(Não se esqueçam de pôr som)


                                     
                                          (Realizado por Vasco Ruivo. Obrigada!)

Fui ao ginásio!

O nosso gato chama-se Fellini e adotou-nos há uns aninhos. É desde então que vive despreocupadamente, come e dorme, come e dorme, dorme e come e lá de vez em quando brinca sozinho ou connosco. Hoje serviu-me de modelo para a web oficina «Vamos ao Ginásio» do Pedro MB Cabral.
Obrigada Pedro, acho que perdi uns quilinhos, estava mesmo a precisar!

As mãos que desenham no caderno os objectos em cima da mesa e mais além


Pausa no home office para desenhar.

Céus


 Manhã, tarde e noite em um dia nublado da Bahia (Brasil).

Da tri para a bidimensionalidade


Sobre - Tudo


Brobdingnag

De Olhos Abertos!


Lilliput - Abrir os olhos e lavar as mãos. 

Eu musealizo, tu musealizas

Bem divertida esta proposta do Paulo Mendes,  que nos pós a seleccionar o que temos em cada  casa e a relembrar as histórias por trás de cada objecto.

O meu "Museu das Coisas que se Trazem das Viagens" obrigou-me a retirar da vitrine onde se acumulam seja os testemunhos das minhas viagens em família seja o que os outros trazem como "uma pequena lembrança". E tanto tempo lá passam que que nos esquecemos quem nos ofereceu - ainda tive que telefonar para apurar uns e mesmo assim não chegou.








sexta-feira, 3 de abril de 2020

Azul

"Web Oficina - Variações sobre um Tom", desafio de Filipe Pinto... 


Usei um daqueles tubos de Daniel Smith azulados com metais, a cor na digitalização fica sempre muito diferente, acho que os pigmentos reflectem a luz do scanner de for a que o baralha.

Aqui fiz alguma batota mas gosto particularmente de usar um ou dois tons para resumir atmosferas, sensações, porque cada cor transmite-nos reacções distintas.


Ginasticar é preciso!

Obrigada, Pedro, por tanto exercício!
Confesso que, ora trabalhei em cima do joelho esquerdo, ora da mesa... 
Foi muito interessante e é mesmo necessário este treino.

Quase no fim reparei na textura e padrão da toalha de crochet  sobre a mesa, com um intrincado padrão de linhas, que tentei representar.



Weboficina #10 - Musealizemo-nos!


Bonecos de lã, que fui fazendo ao longo dos anos. Já não há crianças cá em casa, por isso aguardam, no museu, a próxima geração.




Gym time

Agora o meu ginasio tem aulas on-line, até fiz hoje uma aula, mas não podia dispensar a aula do Pedro Cabral! Obrigada pelo desafio, Pedro!


A ida da mão ao ginásio...

Este senhor professor
Deu-me mesmo muito trabalho
Tentei fazer com primor
Vamos lá ver o que valho

Ceteris Paribus | DESAFIO MÁRIO LINHARES

Carta aos meus amigos do ISEGI 2008, Sissi e Luís.

Caros amigos,

Tenho muitas saudades dos nossos tempos de ISEGI. Dos Trabalhos de grupo e das aulas até às 23:00. Que violência. Lembrei-me do professor Álvaro Novo. Fui à net e verifiquei que agora é Secretário de Estado do Tesouro. Estarei de quarentena desde esses tempos? Chegava com a mochila e estudavamos o Freakonomics. Trouxe a minha calculadora para Itália e ando muito triste com os números. São tão maus. Tão mal apresentados. Queria mandar uma calculadora mágica para Portugal. Pode ser esta. Era a que eu usava. E um livro para ajudar as pessoas a pensar melhor sobre os números. Segundo Hans Rosling 'há 10 razões pelas quais estamos errados acerca do mundo - e porque as coisas estão melhor do que pensamos'. Magari...



 

Vamos ao ginásio...fazendo exercício para os dedos


Weboficina #10 Musealizemo-nos!

#quarentenadesenhada 11º Desafio Mario Linhares


#quarentenadesenhada 10º desafio Paulo Mendes


#quarentenadesenhada 9º Desafio Suzana Nobre


9º Desafio #quarentenadesenhada Suzana Nobre


#quarentenadesenhada -9 Desafio


#quarentenadesenhada - 8ºDesafio


#quarentenadesenhada 7º desafio


Surrealizar por aí...

Tardou mas lá consegui responder ao desafio da Fernanda Lamelas.  O tempo e a cabeça nem sempre se conciliam para que a obra nasça.
Como vêem,  sempre que me apetece um Porto, nem me levanto do sofá.  Basta assobiar.


Vamos ao ginásio


Carta aos Heróis


Museu do Caixa de Óculos

Cego é quem não quer ver
A mais dura realidade
Que está para acontecer
Nesta estranha sociedade

Web Oficina USkP “Musealizemo-nos!”

O Museu da Guitarra-para a Web Oficina de Paulo Mendes

Oferecemos a primeira- a ADMIRA - ao meu filho Vasco, quando ele andava na primária, ainda no século passado!
Desde aí todas as suas poupanças vão para comprar guitarras:acústicas, eléctricas, Fender´s Gibson´s, Telecaster, para Rock, para Jazz, para Blues, para Gypsy Jazz....! 
Eu cá não toco nenhuma, mas acho-as lindas! E as caixas, de veludo brilhante...maravilhosas!
Obrigada Paulo, por me levares a desenhá-las todas. O Vasco também agradece :))

Primeiros passos no mundo dos Urban Sketchers!






Bom dia a tod@s!
Para mim é a primeira vez que partilho um meu desenho (ou tentativa!) no blog dos Urban Sketchers Portugal.

Comecei a conhecer e a aproximar-me a esta realidade só no início desse ano. Foi uma grande descoberta, de que gostei muito, e que me empurrou, depois de mais de 15 anos, a voltar a pegar num lápis e nos pincéis. Não pensava que isto podia acontecer. De qualquer forma estou a re-aprender a desenhar, e estou a tentar de aprender a fazê-lo à maneira dos urban sketchers! Desafio enorme! 

Esperando que o meu curso que devia ter começado no final de março com o Pedro Alves (que espero de conhecer em breve!), vai acontecer mais pela frente, espero de aprender ainda mais coisas no entretanto. 

Até la, vou continuar a desenhar, só para o gosto de o fazer! Essas oficinas foram um grande desafio e de grande companhia!

Obrigada, 
Paola Amore

Genoa-Lisboa Sketch Connection

No ano passado tive a oportunidade de ir a Génova dar um workshop de desenho a convite dos Urban Sketchers Liguria e do Municipio, como parte de um evento de dois fins de semana com oficinas, exposições e outras actividades de desenho.


Uns meses depois, a Valentina Raiola, que me acompanhou por lá em várias cervejas e boas conversas, propos-me fazer um desenho por mês, durante todo o ano de 2020, sobre 12 temas que relacionassem Génova e Lisboa - duas cidades que têm muito em comum.



E assim começámos o Genoa-Lisboa Sketch Connection. Até agora, os temas dos desenhos de Janeiro, Fevereiro e Março foram, respectivamente: ruas estreitas, frente ribeirinha e bacalhau. Desenhei umas escadinhas na Mouraria, o Cais das Colunas e bacalhau cozido, que é o meu favorito!



Sigam o nosso projecto no meu blog e no nosso instagram:
#GenoaLisboaSketchConnection
@pedromacloureiro
@valentina.raiola

Vamos ao Ginásio. WebOficina 12

Para além da importância do ter ou não ter jeito para o desenho (Ah! Discussão antiga e sempre recorrente), há um aspecto que não me deixa dúvidas:
A capacidade de riscar linhas direitas ou letras regulares não é inata! Depende apenas de aprendizagem, treino e tempo.
E nem sequer é fundamental para grande parte dos desenhos que fazemos. Há desenhos que são lindos apesar de completamente amolgados.
No entanto é conveniente, às vezes, conseguir um traço preciso, uma linha direita, um gradiente de valores ou um conjunto de marcas regulares. Para isso é importante treinar a mão.

VAMOS AO GINÁSIO!

Aqui ficam alguns exercícios que podem ser feitos com qualquer riscador, em qualquer lugar e em qualquer ocasião. Até durante aquelas reuniões mais chatas (bastava fingir que estávamos aplicadamente tomando apontamentos).

Algumas explicações da esquerda para a direita, de cima para baixo:
1.    Encher um quadrado de rectas paralelas. A dificuldade aumenta se for deixada uma reserva em que parte das linhas serão interrompidas.
2.    Espiral. Pode ser desenhada de dentro para fora ou VV. Pode-se aumentar ou diminuir a distância entre linhas.
3.    Serpentinas, ou qualquer outro motivo que, concentricamente, vão sendo mais carregadas, em degradé.
4.    Riscar rectas ortogonais apoiando a mão na borda do caderno. Quanto mais afastadas da borda menos fácil é.
5.    Bocas sobre linhas, letras e algarismos.
6.    Desenhar pontos o mais afastados possível e uni-los por linhas rectas.
7.    Experimentar vários padrões em quadrados contíguos para experimentar valores em degradé.
8.    Encher um rectângulo de linhas quebradas formando um padrão regular
9.    Abecedários e frisos horizontais
10. Linhas e frisos verticais - Não vale virar o caderno. É mesmo diferente desenhá-los ao alto ou ao baixo.
11. Há reuniões que são assim.
12. Desenhar rectângulos e preenche-los com padrões diferentes. Quanto maiores os rectângulos mais difícil o exercício. A dificuldade (e a eficácia) do exercício também aumente se o caderno ficar sempre na mesma posição em vez de o rodar para cada conjunto de linhas.
13. Experimentar abecedários e frisos com tamanhos diferentes.
14. Espiral com abecedário incluído. Aqui tenho mesmo de rodar o caderno!

Seria importante que estes exercícios não fossem feitos sempre ao estirador, mas também num sofá, em pé, encostado a uma parede, num local ventoso, no autocarro... em qualquer lugar, porque é aí que vamos usar o diário gráfico.
Como estamos reduzidos a desenhar em casa fica à imaginação de cada um a escolha de condicionantes que simulem as dificuldades mais comuns da vida de um urban sketcher. Contem como foi.

Quarentena desnhada (Mario Linhares)


quinta-feira, 2 de abril de 2020

A minha Carta ilustrada #quarentenadesenhada

Mário, não vale, com desafios destes... levaste-me ao fundo do meu coração.






Carta aos meus alunos

O desafio do Mário deu que pensar...
Sem alunos, sinto-me professora?
Aproveitei e desafiei-os a escrever-me uma carta ilustrada também. Aguardo respostas... :)
Obrigada, Mário!
(a página ficou cheia demais...)



Desafio #12 | Mário Linhares | uma carta ilustrada


Está tudo na carta! hoje não escrevo mais :) obrigada Mário, este exercício eleva os que silenciosamente não deixam a "máquina" parar!

"Da tri para a bidimensionalidade"

Oficina do Eduardo Salavisa.
Não segui todas as indicações, o certo é que já estou farto de ver objectos dentro de casa, pena é o prédio não ser daqueles rotativos para mudar a vista das janelas de vez em quando.
Dar profundidade, escala, contrastes, detalhes, cor, grafismo, perspectivas, tudo vale, o interessante é experimentar. :D


Carta ilustrada: Antes fossem ervas daninhas, antes fossem


Carta de Colares para uma amiga em Tóquio


Surreal

O desafio proposto pela Fernanda Lamelas, num bloco que tem vindo a desiludir, cheio de defeitos, o sacrifício que é pintar sobre marcas de fita e manchas que não deixam a tinta agarrar, surreal.

“Estamos a passar por momentos surreais...”
Há 100 anos atrás surgia o surrealismo, decerto que deve ter sido muito controverso.
Daqui a 100 anos, decerto que os Urban Sketchers do séc. XXI irão marcar os "livros" de História, outra forma de movimento que faz todo o sentido.


Carta à minha filha Catarina

A minha filha mais nova está a estudar fora de Portugal, mesmo nestes tempos de sobressalto em que eu gostaria que ela estivesse mais perto... Mas está bem e isso é que é o fundamental.
No quarto dela, em cima da cama, está este peluche gigante de olhos meigos que ela continua a adorar. É por isso a ela que eu dedico este desenho e esta carta que escrevi.


Centro Interpretativo do Vizinho da Frente

Desculpa Paulo, tive de arranjar forma de desenhar pessoas no teu desafio, que isto de desenhar objectos satura ;)


O CIVF do Lumiar é uma instituição com 20 anos de história. Reúne esforços de etnólogos, antropólogos, sociólogos e outros cientistas sociais, para interpretar e catalogar as actividades a que os vizinhos do prédio da frente se dedicam quando estão na varanda, bem como os hábitos de manutenção destas plataformas habitacionais sobre a via pública.

Conheçam os pijamas, a roupa interior, as pantufas e as antenas parabólicas deste recanto de Lisboa como nunca antes os viu!

Vamos ajudar os profissionais de Saúde do C. Hospitalar do Oeste? Caldas da Rainha, Peniche e Torres Vedras


Com um desenho divulgo esta iniciativa.
(entretanto a Sonapel vende o material a preço de custo - descrição por baixo do vídeo).
Pedem-nos que ajudemos a custear o tecido.

Participemos todos. Os dados estão no rodapé, no desenho e no vídeo. Obrigada!




Musealizemo-nos... e tiramos os objectos dos armários


Carta ilustrada

Tentando dar alguma leveza ao desafio e ao assunto, não esquecendo todos os profissionais de saúde, os doentes e os que estão confinados por esse mundo fora. Um abraço a todos.🌈🌈

#weboficinas - proposta 11 - Carta Ilustrada, respondendo ao desafio de Mário Linhares


Diálogos da quarentena

Hoje de manhã, a caminho da padaria, cruzámos um velhote desconhecido que nos cumprimentou efusivamente  - Bom dia! Gosto muito de os ver ! -  e,  ávido de comunicar,  aproveitou para contar uma sua conversa de ontem, quem sabe a única!

"...e o polícia ontem disse-me: "O senhor não sabe que não pode andar na rua e que tem de ficar em casa? E eu disse-lhe :  Ó chefe! Tudo bem, mas a gente não pode esmorecer, e parar é morrer! Eu já não tenho ninguém, mas com os meus 92 anos tenho que andar todos os dias, senão vou desta para melhor! Tem de ser! Não se pode é esmorecer! Um bom dia para os senhores !"
- " Um bom dia também para si!Que não esmoreça, pois, e conte muitos!"