Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

domingo, 20 de janeiro de 2019

Desenhos esquecidos no caderno de bolso

Sentado ao lado de um quiosque na Av. de Roma

Parque infantil no INATEL

Em Montesinho, Trás-os-Montes

Em Outubro de 2018 estive em Montesinho a explorar paisagens para um filme de animação da Sardinha em Lata. Estou a colaborar na pré-produção.






Rena a saltar - 2


Há exposições em que uma visita não chega. É o caso da exposição Body Worlds - Animals Inside Out, que esteve na Cordoaria Nacional no verão de 2018.

Já tinha desenhado uma rena na primeira visita e quando regressei desenhei outra.

E ainda lá voltaria pelos esqueletos de avestruz e de coelho, a girafa e o colossal elefante, se a exposição não tivesse terminado.



Fotografia de Helena Ambrósio






Este foi o desenho feito na primeira visita e que mostro em detalhe aqui:

http://velhadaldeia.blogspot.com/2018/09/rena-saltar.html

Desenhar o caos

Ao desenharmos de observação, pomos, de certa maneira, ordem no que estamos a ver. No sábado no MAAT, na exposição do japonês Tadashi Kawamata “Over Flow”, instalação de uma catástrofe ecológica imaginária, é um dos casos limite. E o problema que se nos põe é: Como representar aquele caos? Como dar o aspecto de caos ao caos? Ou melhor, como dar ordem ao caos sem lhe tirar o aspecto de caos?



Desenhar no MAAT



Foi uma excelente oportunidade para visitar as exposições em exibição no museu e para desenhar uma das peças mais curiosas. Uma reprodução de Little boy, a bomba que arrasou a cidade japonesa de Hiroshima, cheia de inscrições com referências à arte, à política e à cultura.

Encontro UsK PT MAAT

Mais um magnífico encontro organizado pelos Urban Sketchers Portugal. Obrigado pela oportunidade. Aqui ficam alguns registos.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Açores

Resumo breve de um périplo pelos Açores em Setembro do ano passado. Não foi a primeira vez que fui e confesso uma grande afinidade pessoal com estas ilhas.

Desta vez o motivo principal da viagem foi uma subida ao Pico. Mas o percurso começou na Terceira, para, entre outras coisas, um mergulho nos Biscoitos. Depois já na ilha do Pico, o “warm up” para a subida ao ponto mais alto de Portugal. Já recuperados, passámos mais uns dias em São Jorge. Merecido mergulho após passeio desde a serra do Topo, passando pela Fajã da Caldeira de Santo Cristo, e terminando na Fajã dos Cubres. Aquele mar sempre envolvente. E finalmente um mergulho num dos lugares mais belos das ilhas, Poça de Simão Dias, na costa norte de São Jorge. A voltar, e voltar, e voltar, e voltar, e voltar…






  

Rota dos Jardins Históricos - Santar e Mangualde



A 20 Outubro de 2018 tive a agradável companhia da Ketta Linhares e da Paula Xavier a desenhar na região de Nelas. 
Fomos representar os Urbansketchers, marcando presença no evento Os Jardins Históricos nas Rotas Turísticas, que decorreu de 18 a 20 de Outubro 2018, organizado pela Associação Portuguesa dos Jardins Históricos
Após dois dias de conferências de reflexão sobre jardins, entrámos nós, no terceiro e último dia, para acompanhar e registar as visitas guiadas a vários jardins em Santar e Mangualde. 
Foram muitos os belos lugares que, em apenas um dia, surpreendentemente conseguimos desenhar.
Obrigada à AJH pelo acolhimento!








Os restantes desenhos que fiz estão no meu blog:
http://velhadaldeia.blogspot.com/2018/12/rota-dos-jardins-historicos-santar-e.html

MAAT in and out

Gostei muito deste encontro no MAAT (pesando embora a molha que apanhei ao aguarelar no exterior ;-))

Foi muito interessante observar o MAAT com olhos de sketcher e não de engenheira, embora as suas magníficas linhas arquitectónicas exteriores e interiores desde sempre me entusiasmassem.

O que não estava nada à espera era de me sentir qual "Alice na toca do coelho" ao entrar no WC portátil de Johan Freeman &  Justin Lowe... e ali fiquei um bom bocado a desenhar.

E por fim, os meus parabéns à organização deste evento e aos colaboradores da EDP que tão bem nos receberam!








ENCONTRO USKP | DESENHAR COM OS URBAN SKETCHERS NO MAAT | 19JAN2019


O MAAT recebeu ontem os Urban Sketchers para um encontro muito Moderno!

 Num dia em que a chuva não deu tréguas podemos refugiar-nos no fundo do mar e desenhar “uma catástrofe ecológica imaginária em que os detritos transportados pelos oceanos engoliram a civilização.”. A instalação ‘Over Flow’ de Tadashi Kawamata não era única instalação no museu mas foi sem dúvida a mais sentida e desenhada.

Entre cabines de estaleiro que escondiam universos paralelos, criados pela dupla nova-iorquina Jonah Freeman & Justin Lowe, e o exterior do edifício, muitos foram os elementos desenháveis escolhidos pelos Urban Sketchers.

Depois da partilha e da foto de grupo, houve quem não arredasse pé. Esta coisa da modernidade...  “primeiro estranha-se, depois entranha-se”

Muito obrigada a todos os participantes, ao MAAT pelo convite e ao Tomás Reis pela sua proactividade.
(Vamos usar a etiqueta 'DESENHAR COM OS URBAN SKETCHERS NO MAAT')

MAAT com cor

Esta marginal transmite-me sempre memórias, a sua transformação urbana e social é impressionante, aqui ficam os meus desenhos do encontro no MAAT, um dia imprevisível assim como as exposições que se escondem neste gigante enterrado e petrificado à beira do Tejo.







Nos últimos desenhos dei cor mais tarde, era essencial para todo o caos de plástico ganhar vida.
Obrigado à organização e a todos os que arriscaram neste dia de chuva e apareceram para desenhar.

sábado, 19 de janeiro de 2019

Furnas

Não tenho tido disponibilidade para «vaguear» na paisagem. Na sexta-feira depois das aulas rumámos -finalmente- às Furnas, que bom. É  claro que já desenhei diversas vezes junto à lagoa, mas foi o local escolhido pelo meu filhote para dar a sua volta de bicicleta. Encarei as fumarolas como um desafio, um grande desafio em constante mutação... depois vieram os gatos e os patos, fizeram-me um verdadeiro assalto ao saco dos biscoitos de coco... estavam esfomeados, coitados!

(Aguarela, lápis de cor e caneta caligráfica)                                                                                                                               «insitu»

Um dia no MAAT


Grande dia no MAAT com muitos desenhos apesar da chuva. Obrigada Rita pela magnifica organização.
Leonor Janeiro

Para celebrar...

...os nove anos do meu primeiro post aqui!