Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quinta-feira, 25 de abril de 2019

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Revista Lisboa

O desenho do Largo da Graça para a Revista Lisboa deu-me bastante trabalho.
Era a semana do Natal, aquilo estava transformado numa feira com tantas barracas e carroceis que, do Largo não se via nada. Havia uma urgência porque a chuva estava a chegar, estava frio e vento, os dias muito curtos... Tive que lá ir várias (muitas) vezes.
Entretanto lá saiu um Largo da Graça em peças soltas.

Igreja da Foz


Mais um desenho feito na Foz (o primeiro foi ESTE),  num dos encontros PoSk a que consegui ir. Depois do almoço (desculpem, almoçarada, que aquilo foi um banquete), fomos até à Igreja de S. João da Foz, que se ergue, altiva e monumental, entre o casario da Foz Velha. E eu, com o meu banquinho, sentei-me já na descida, em equilíbrio um pouco precário dado o desnível do passeio. Mas sobrevivi, e lá saiu o desenho:


A versão em aguarela, já acabada, pode ver-se AQUI. Que belíssimo dia de desenhos!

sketchbook therapy




Cara comunidade,
mais uma vez, deixo-vos 3 bonequitos do meu último caderno finalizado. Como sempre, interessa-me bastante toda e qualquer tipo de crítica vossa.
https://sketchbooktherapy.wordpress.com/2019/01/31/crok/

Em vésperas de feriado, que nunca nos falte a liberdade para desenhar (e ter tempo também faz jeito!!!).
Abraços.

Lagoa Rasa


(Lápis de cor, aguarela, grafite,  marcador e carimbo)                                                                                                                                                           «insitu»

terça-feira, 23 de abril de 2019

Revista Lisboa

Lançamento da Revista Lisboa, onde constam alguns desenhos dos Urban Sketchers.
A revista já está online, aqui .
A cerimónia foi no Gate 67, ao Beato.



Roma_dia 2_parte I

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Janelas urbanas

Resultados do primeiro dia da residência de desenho do Festival PaRTES 2019, sob a orientação do Pedro Cabral.
E não é que as sacanas das janelas são uma ótima ajuda na composição!



Capitolino, Palatino e Aventino


A colina do Palatino é, como o nome sugere, o bairro palacial da antiga Roma. Muitos imperadores e patrícios estabeleceram aqui as suas residências, com vista para as restantes seis colinas da cidade, e ligado a elas pelos restos dos fora e de outros espaços públicos. É agora uma área fechada, acessível com bilhete, onde os turistas contornam as ruínas, tentando descobrir como os antigos mestres do império viviam o quotidiano.



Mesmo ao lado, o Capitolino, uma colina-cidadela fortemente ligada aos mitos que povoam as origens de Roma, foi o local de construção de vários templos, incluindo um grande templo consagrado a Júpiter. Hoje em dia, os palazzi pós-medievais dominam a colina, com a estrondosa Piazza del Campidoglio de Michelangelo no centro do palco.



Mais a sul fica o Aventino, tornado famoso pela sua associação com a classe operária Romana e as associações criminosas na excelente série da HBO, "Rome". O passado histórico do Aventino é de uma área diversa, onde povos e religiões estrangeiras entravam na cidade antiga. Hoje, o Aventino é uma colina afluente e idílica, onde mansões abastadas e jardins ricamente desenhados miram o Circo Massimo e o Tibre entre os pinheiros mansos do Giardino degli Aranci.


Albufeira


Quinta das Conchas



Feito ontem depois de fazer o footing matinal. Os três levaram 10m, em casa carreguei um pouco as cores, useu apenas lápis Viarco.

Meti água com a Quita das Conchas é o que faz a pressa...

Fundição


Na Calheta, em Ponta Delgada, um elemento que não fica despercebido e que há anos se mantém parado «numa cápsula temporal», esperando melhor sorte e esclarecimento identitário, é uma chaminé que ultrapassa em muito a linha do horizonte. Já tropecei em algumas histórias acerca deste imóvel e confesso que me conformei com uma delas pela curiosidade ou verosimilhança estabelecida numa relação com a Fundição Albergariense. É sabido que esta se tornou na Albauma marca metalúrgica que deixou o seu cunho em todo o país. Um dia, quem sabe, veremos todos os mistérios resolvidos e munidos com prova e evidência irrefutável.

(Lápis de cor e marcador)                                                                                                                                                                                                       «insitu»

Lições

O primo João Ruivo, está há 6 meses num lar. Com a filha, que foi para lá antes dele. Faz 101 anos dia 4 de Maio e, até ver, não precisa de tomar remédios.
"Não me queixo, são todos muito simpáticos e gostam muito de nós e eu gosto muito deles. É só aquela dor de deixar a nossa casinha. Mas que havia de fazer? Nada! Tive que aceitar . Se chegar a dia 4 faço 101 anos. Sim, que a vida é nascer e morrer, e eu não sou diferente. E não me importo.  O meu objectivo na vida foi sempre  gostar de toda a gente. E gosto, por isso posso ir em paz".

Pavilhão Atlântico

Parque das Nações

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Exposição de Graça Morais





Durante a exposição fui copiando daqui e dali. Uma exposição que nos interroga.

Estrelícias

Quem diria que, num jardim de Colares, crescessem estas estrelícias com uma cor tão intensa? Será que foi porque o inverno foi mais ameno? As alterações climáticas trazem mudanças à natureza, algumas curiosas.
Leonor Janeiro

Da minha janela


XIV Festival Internacional da Máscara Ibérica 2019 - Open Call


Olá a todos!

Nos dias 16 a 19 de Maio vai realizar-se na Praça do Império mais uma edição do Festival Internacional da Máscara Ibérica (FIMI) e os USkP foram convidados a desenharem por lá.

A organização resulta de uma parceria entre a Progestur, a EGEAC (Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural) e a Câmara Municipal de Lisboa e lançou o Open Call para o registo dos dias do festival, desenhando as máscaras, os concertos e todas as actividades e animação de rua.

O ponto alto será no sábado dia 18, por volta das 16h30, durante o desfile de máscaras, contando com todos os grupos participantes vindos da Península Ibérica para além de outras surpresas.

A entrada no recinto é gratuita mas para desenharem mais à vontade e terem acesso a todas as áreas, a organização disponibiliza aos USk credenciais de livre transito. Para tal, basta solicitarem o pedido de credencial com o vosso nome para o seguinte email irislima@progestur.net , e que poderá ser levantada, nos dias do festival no recinto junto ao stand da Progestur. No entanto, se por alguma razão não puderem pedir atempadamente, basta dirigirem-se ao stand para o solicitar.

De 9 a 21 de Maio irá igualmente realizar-se uma exposição com os desenhos feitos no ano anterior durante o festival, a qual ficará patente no Centro Cultural Casapiano, Rua dos Jerónimos, n.º 7 A, juntamente com outras exposições relativas ao festival.

ATENÇÃO: Quem quiser participar na exposição, por favor envie o(s) caderno(s) para a Rua Martin Luther King, Nº4-A, 1750-452, Lisboa - Portugal até dia 7 de Maio. A inauguração será a dia 9 de Maio pelas 17h30.

Como a Susana Nobre não pode estar presente este ano, passou-me a coordenação:-) (Isa Silva).

Para a publicação no blog poderão colocar a etiqueta FIMI2019.

Seguem os links das páginas oficiais onde poderão ver toda a informação do evento:
Programa: http://www.fimi.pt/programa_pt.html
Página FB do FIMI: https://www.facebook.com/festivaldamascara/
Evento FB: https://www.facebook.com/events/571186796696769

Apareçam!!! :-)

Da janela dos meus sogros


47ºEncontro USkP Açores

O 47ºEncontro USkP Açores foi no Museu Carlos Machado. O núcleo de Santa Barbara revestiu-se de gente em torno de Canto da Maya. A exposição está muito simpática e mais composta do que a anterior, fiquei com vontade de voltar...

(Caneta caligráfica,  aguarela, lápis de cor e grafite)                                                                                                           mais aqui: «insitu»

domingo, 21 de abril de 2019

#100 bonecos




É tão difícil desenhar pessoas que não param quietas.

Arraiolos



Armando Baldaia

No próximo sábado, com o Armando Baldaia (também conhecido por Abnose), dia 27 de Abril das 15h às 17h30, terá lugar mais uma sessão do “Vamos desenhar com…” no Museu Bordalo Pinheiro, em Lisboa.

Apareçam! 


Café Almansor, Montemor-o-Novo


Regras discutem-se e os gostos são livres


Dirigi-me ao Parque das Nações para preparar o workshop do próximo dia 27 de Abril, no âmbito do Festival Partes 2019. Acabei por me sentar num sítio familiar, as traseiras do edifício onde vivem os meus primos. Liguei para dar um beijinho, falar sobre os desenhos, beber um cafezinho.

Rita - Olá, estou aqui ao pé de vocês a fazer um desenho. Não querem descer?

Prima - Ah que giro! Tens imensas coisas giras para desenhar por aí. Há uma serie de esculturas...

Rita - Uhmm estava mais numa de desenhar ‘nada de especial’ porque é aí que encontro os pormenores, as histórias. Olha reparo que só uma das varandas tem flores. Fica tão bem!

Prima - Ai tem? Não se pode. Há uma regra que diz que não se pode por flores nas varandas. Porque depois suja o chão, caem pétalas.

Rita - Mas as pétalas são lixo?

Prima - Olha não sei, sei que não se pode.

Rita - Não digas nada a ninguém. Parece que as flores estão na varanda mas viradas para dentro.

(...)

Será que as regras matam a criatividade e tornam assépticos os nossos bairros? Serão as regras balizas para a liberdade? Preferimos a ordem ao embelezamento discutível? Não é assim tão difícil responder a estas perguntas. Se a regra foi decidida em democracia, com a participação de todos os que usam o espaço, a liberdade venceu.

As flores não eram cravos mas eram vermelhas e davam tanta graça aquele paraíso urbanístico.



Pátio da Quintinha, Lisboa Oriental

Pátio da Quintinha, Lisboa Oriental.

Uma porta