Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

Entrar no processo criativo e abrir-me à poesia da alma



Este desenho foi feito durante um exercício dado pela Roísín Curé num dos dias do workshop "Expressing the West", em Galway, em Agosto passado, e foi o resultado de uma séria de incidentes que acabaram por ter grande significado para mim.
A caneta de aparo começou por funcionar com muita dificuldade, pois a tinta não fluía. E só depois de desenhar percebi que a tinta não era à prova de água, e que a aguarela iria dissolver o desenho, pelo que optei por só aguar as formas à distância... o maravilhoso do momento é que todos os incidentes me iam fazendo sentir cada vez melhor, pois o prazer de desenhar estava lá inteiro, e sem qualquer impedimento.
Deixei de pensar em cumprir o exercício para viver o momento de desenhar.
Quando finalmente desenhei o barco azul já tinha feito o caminho até me sentir novamente uma criança a desenhar, e adorei que ele saísse assim com um toque mais infantil, destoando da minúcia do resto do desenho, mas compondo em plena harmonia o sentimento do meu coração.

2 comentários:

ana pato disse...

gosto da leveza do desenho que nos convida a preenche-lo com a nossa imaginação

Isabel Alegria disse...

Esse espaço de liberdade é o que me guia... fico feliz em saber que o sentiste.
Grata pelo teu comentário, Ana. Deu-me a mim também um sentido maior sobre o que faço.