Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Férias a Norte - Parte I

No dia 25 rumámos a Norte. Guimarães foi a primeira paragem.
O almoço foi na Cervejaria Martins, no Largo do Toural, um dos principais largos de Guimarães.
 
 
Apesar de hoje ser considerado o coração da cidade, por fazer a ligação entre o centro histórico e a "cidade nova", importa referir que no séc. XVII, este largo era um espaço extramuros, junto a uma das portas da muralha da Vila medieval. Por se tratar de uma das entradas principais da urbe, era utlizado para venda de gado. No final do séc. XVIII, início do séc. XIX, começa a urbanização de toda esta zona, que prevê a expansão da cidade. Hoje é difícil imaginar, mas este espaço já foi Jardim Público, com o habitual coreto. Desse tempo resta-nos apenas uma parte do gradeamento que demarcava o Jardim.
 
Ainda na esplanada do Restaurante, saboreando a vista, registei a Basílica de S. Pedro, cuja construção durou cerca de 150 anos (1737 - 1884).
 
Chega de esplanada, pois o Centro Histórico chama por nós, e não é um centro histórico qualquer, pois este é Património da UNESCO desde 2001 e Berço da Nação desde o séc. XII. Passando pela antiga porta de entrada da Vila, pela rua Dr. Avelino Germano, encontramos o Largo Condessa do Juncal com a Igreja da Misericórdia como pano de fundo.
 
 
 
Voltamos a caminhar, agora pela Rua D. Maria II que nos leva até ao famoso Largo da Oliveira onde encontramos o Padrão do Salado e a Igreja de Nossa Senhora da Oliveira
 
 
Neste Largo, para além do Padrão, de esplanadas e turistas, ainda temos o Museu de Arte Primitiva Moderna, caracterizado pelos arcos góticos do piso térreo, que no fundo é um espaço permeável que permite a ligação entre o Largo da Oliveira e a Praça de São Tiago (2º desenho), cujo desenho actual é da autoria do Arq. Fernando Távora.
 
 
 
 

5 comentários:

Bruno Vieira disse...

Gosto muito de Guimarães, todas aquelas características medievais são deliciosas. Apanhaste um excelente registo, ainda desenhaste o castelo?...tenho que esperar pela parte 2?

Marcelo de Deus disse...

Bela recordação das férias no norte

Suzana disse...

Que bonito!!

Ana Ramos disse...

Parabéns André!
Que belos desenhos. Como sempre...
Muito bons.

João Santos disse...

Grandes desenhos!