Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sábado, 11 de agosto de 2018

Simpósio_ Porto


Depois da Demo do Ian Fennelli, subi à Sé, fiquei pelo miradouro a caminho do destino. O Zé foi ter comigo e enquanto me perdi na malha urbana ele desenhou a Sé do Porto.














Descemos em direção à Ribeira à procura de um recanto onde jantar. A sala do Barrete Encarnado ficava no 1º piso, era pequen, acolhedora e distante da confusão. Avistava a rua através do janelão que acompanhava a escada de ligação entre os dois andares. Gostei do recanto, do jantar, das cerejas oferecidas pelo dono e -mais tarde- do serão com Drink and Draw na praça de São Domingos.


(Aguarela, marcador, grafite, carimbo e lápis de cor)                                                             «in situ»

1 comentário:

Mário Linhares disse...

Uau!
O primeiro desenho está fantástico!