Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Caderno de Viagem Brasil - 2018 - dia III (tarde)

20.05.2018  parte da tarde

Depois de uma manhã intensa seguimos para a cidade, mais precisamente para junto do Teatro Municipal, uma obra de arquitetura brutalista, da autoria dos arquitetos Arnaldo Palamone Lepre e Francisco Santoro, construído em 1977. O edifício encontra-se em obras de reabilitação e apesar do estado de degradação, continua bastante desenhável. 
Depois da habitual voltinha de contemplação, eis que dá inicio o Workshop orientado pelo Pedro Alves.



No final, enquanto organizavam a habitual partilha de desenhos e foto de grupo, aproveitei para registar esta lanchonete ambulante, a "Bokita".

Seguimos para o Drink & Draw no espaço Cris, com um belo momento musical. Bossa nova ao vivo é outra coisa. O registo que se segue resulta de um "desenho cego". 

No final, uma nova surpresa, o reencontro com o Alex Lima, que em 2017 esteve em Torres Vedras fazendo parte do Coletivo Brasil.


7 comentários:

Miú disse...

Que grande reportagem, André! E os desenhos -- poderosos.

Rosário disse...

Continua uma reportagem maravilhosa!

hfm disse...

Que bela reportagem.

Bruno Vieira disse...

Os músicos ficaram mesmo bem :)

teresa ruivo disse...

Gosto imenso do primeiro André!

teresa ruivo disse...

Gosto imenso do primeiro desenho André

André Duarte Baptista disse...

Obrigado pelas vossas generosas palavras :-)