Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Valle de Jerte

No passado fim de semana e feriado, fiz uma incursão até às terras de nuestros hermanos, em busca das últimas cerejeiras em flor. Mais especificamente ao vale do rio Jerte, que situa a nordeste de Plasencia. São mais de 50 quilómetros de cerejeiras plantadas maioritariamente em socalcos. Não vi as cerejeiras em flor em toda a sua pujança (são milhões, literalmente), porque para isso, teria que ter ido mais cedo. Mas ainda as consegui encontrar na parte mais alta, em Tornavacas, quase a entrar na Serra de Gredos. E valeu a pena. Em termos de desenho, o que pensei à partida é como iria representar o branco. Inspirado em coisas que vi por aqui (João Santos, obrigado), lembrei-me de usar uns restos de envelopes de papel kraft e lápis de cera branco para as flores.

   

3 comentários: