Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quarta-feira, 7 de março de 2018

Desenhar é filmar

Podemos pensar o acto de desenhar num caderno como um director de cinema pensa na câmara a filmar. Podemos fazer o paralelo entre desenhos preparatórios, rápidos, feitos como apontamentos, antes do desenho da cena geral, com os takes, ou tomadas, que o realizador capta antes de fazer a montagem do filme. Como no processo de enquadramento da câmara a nossa atenção também é selectiva. Só incluímos no desenho o que observamos, o que sentimos, o que nos emociona. Fazemos escolhas, realçamos o que queremos, manipulamos os elementos. Também no cinema escolhemos os planos, optamos qual a profundidade de campo, montamos as cenas de maneira a dar mais ênfase ao que queremos. No cinema chama-se zoom quando se aproxima um elemento, no desenho dizemos que damos outra escala. No cinema fazemos uma panorâmica quando a câmara roda sobre si, no desenho o nosso olhar vai de um lado ao outro. O observador/desenhador desloca-se para perceber melhor a cena que está a desenhar, no cinema a câmara movimenta-se e faz um travelling. Já sem falar nos vários tipos de plano (plongé, contra plongé, plano americano, etc) que se fazem no cinema e igualmente no desenho.
Podemos dizer que desenhar é filmar e vice-versa.

(resumo baseado na proposta, recusada, feita por mim e por Karina Kuschnir ao Simpósio 2018 no Porto)
Em inglês no blog USk

Eduardo Salavisa

Karina Kuschnir

Eduardo Salavisa 

Karina Kuschnir

10 comentários:

Pedro disse...

... no entanto a ideia era promissora.

nelson paciencia disse...

Teria dado um super workshop! É pensar nele já como candidato ao próximo Simpósio.

Rosário disse...

Também acho uma proposta bem interessante! Podes fazer um workshop dos recusados! Sou candidata (desde que a primeira língua seja o português e já agora que não seja muito caro).

Membro USK disse...

Que pena! É uma ideia original.
Leonor Janeiro

João Santos disse...

Esta proposta estabelece uma excelente analogia sim! Trata-se em ambos os casos de captar momentos, mesmo que banais, de forma interessante, e de contar histórias. E a mim é uma das capacidades que mais me interessa desenvolver, a composição e enquadramento. Aliás, uma das aulas do 10x10 que me despertou logo o interesse foi a do Francisco Costa, convidado do Pedro Loureiro, "Sketch like a filmmaker".

Manuela Rolão disse...

Concordo que seria um excelente workshop!
Também sou candidata como a Rosário!

Alexandra Baptista disse...

Ter-me-ia inscrito. :)
O facto de não ir ao simpósio, não inviabiliza a possibilçidade de concretização, pois não??

Isa Silva disse...

Guarda para o próximo simpósio ;-)

Fefa disse...

Muito interessante como tema! Eu também me teria inscrito!
Agora não queremos esperar por mais simpósios! Toca de fazer uma sessão para quem aprecia estes desafios e artes!
Fico à espera :-)


teresa ruivo disse...

Pronto Eduardo! Desta não te escapas! Só falta pensar um sítio e pôr na barra lateral.