Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Praia do Vau

Os desenhos nem sempre são bonitos e, muito menos fixes. Sendo uma representação da realidade também podem adquirir uma dimensão emocional - a dimensão conceptual do desenho, aquela que transforma um risco numa emoção.
A Praia do Vau, para além de uma praia, é uma comunidade de pessoas que, na sua infância e adolescência dela usufruíram e nela conviveram, e que, de quando em quando, se encontra.
Ainda sou daqueles que vou frequentemente ao Vau mas agora, quando olho para a praia, para além das felizes memórias de infância, também recordo os amigos que partiram. Coisas de cota, coisas da vida.

7 comentários:

teresa ruivo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
teresa ruivo disse...

Ser cota às vezes tem vantagens: dá a capacidade para fazer desenhos destes, carregados de coisas da vida .
Bem... a todos, todos, não dá, mas dá a alguns - já não é mau ;)

José Louro disse...

Cota!!!

Maria Leonor Janeiro disse...

Muito bonito
Leonor Janeiro

hfm disse...

Muito teu, gosto muito.

nelson paciencia disse...

Que lindo post.
Bom ano Luís!

USKP disse...

Coisas da vida...mas a beleza desta paisagem continua para além dos tempos.
Gosto muito do sketch e da poesia associada.

Fefa