Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Traço 17

Já de volta a Lisboa, as imagens de Elvas não saem da cabeça. Parece que ainda não deu para aceitar o regresso. No Festival Traço 17, o primeiro que vejo, a recepção dos sketchers foi sempre calorosa e a organização conseguiu trazer de fora, por vezes do outro lado dos Pirinéus, desenhadores que nunca pensei conhecer pessoalmente.




Cheguei a Elvas com a impressão de que, apesar das visitas que já tinha feito, nunca dedicara o tempo que a cidade merecia. Elvas é de facto uma cidade única: estrela Vauban vista de cima, praça-forte entre o Montado e o Odiana. É forte nas muralhas e delicada nos pátios floridos que só se mostram no silêncio das ruas de uma cal branca e ocre. Só são desbotadas pelo azul espelhado de um céu tão puro como a vista da planura distante.

Daquelas ruas de medina, num ziguezaguear trémulo, apoiado na colina, a vista para Espanha, lá abaixo no vale, é uma espécie de vertigem. Uma vertigem reconfortante, porque a ligação a Badajoz parece ser cada vez mais fraterna.



Para nosso espanto, as ruas desvendam relíquias de tempos diferentes. Mas a maior surpresa é a simpatia das pessoas que nos mostram a cidade que amam. Estávamos a desenhar o Arco do Miradeiro, antiga porta da cerca moura. O seus habitantes, isto é, o casal que vive na casa que foi construída sobre o arco, convidaram-nos a entrar. 

Foi assim que pude desenhar a vista do Senhor Manuel Casaca, do terraço que se apoia na porta da muralha. Dali, a vista para Espanha é ainda mais vertiginosa e os quartéis, o Forte de Santa Luzia e a Igreja de São Domingos fazem um conjunto de referências que amarram qualquer desenho, por mais rápido que seja.



4 comentários:

USKP disse...

A vista panoramica está linda
Leonor Janeiro

teresa ruivo disse...

Maravilhosa, a vista do terraço (e não só...)!

Pedro Loureiro disse...

Assim fico com medo de postar a seguir ;)

Miguel disse...

Muito obrigado Tomaz pela tua presença no TRAÇO17, pelos teus magnificos desenhos e pelas palavras que aqui deixas. Vamos replicar os teus desenhos no site dos USk da Raia.

1 abraço,
Miguel