Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.


Neste blog só se publicam desenhos feitos de observação e no sítio

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Gulbenkian - Encontro USK no dia 16 de Setembro

Desenhar na Gulbenkian é coisa que faço de vez em quando, principalmente quando revejo a minha querida amiga Lena de Londres.
Quando soube do encontro agendado para Setembro marquei logo na agenda para voltar até lá e rever alguns sketchers que não costumam atravessar o Tejo para ir à Oficina mensal de Desenho no Jardim da Casa da Cerca. :)

Levei a minha nova caixa de pastéis aguareláveis que já tinha estreado com um dragoeiro do outro lado do rio (ver aqui). Fui aos laguinhos redondos que espelham uma zona de bosque frondoso e cheio de sombras, que eu já tinha vontade de desenhar há muito tempo.
Estive cerca de 3 horas envolvida neste desenho, em que tentei tornar o reflexo mais real do que a realidade que lhe deu origem. O problema foi ter-me demorado demasiado e só ter encontrado os sketchers mesmo no fim do encontro (além de ter ganho um rabo esborrachado pelo chão).



Laguinhos redondos da Gulbenkian


Entretanto soube pela Isabel Alegria que nesse dia iria haver uma atividade acerca de aves, integrada no programa Encontros da Paisagem - Aves Jardineiras dos Jardins - pelo professor João Rabaça. Consegui juntar-me ao grupo no último momento. Aprendemos curiosidades como o facto de os gaios enterrarem sementes para assegurar a sua despensa para a eventual escassez de alimento no inverno, e que afinal deixam umas quantas bolotas esquecidas que germinam, dandoo uma importante ajuda na regereração da floresta. E a cereja no topo do bolo foi encontrar no fim da atividade uma garça noturna ou goraz já aninhada para dormir em cima de um pinheiro manso e muito perto de um local onde há meia dúzia de anos fiz o desenho abaixo. Seria o mesmo goraz que fui reencontrar? :)


Goraz desenhado na Gulbenkian em 2010


Tenho de voltar a um novo encontro para acabar de por a conversa em dia, mas terá de ser em Novembro porque em Outubro já tenho os fins-de-semana preechidos com a formação em aguarela e desenho de campo que vou dar.

Sem comentários: