Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Esquina no Largo da Misericórdia



Fazendo uma pausa na série de Santa Cruz e uma vez que voltei ao activo, é tempo de voltar a desenhar Lisboa. Após uma penosa subida das Escadinhas do Duque e porque a idade (leia-se peso) começa a não dar tréguas, nada melhor do que descansar por breves minutos à sombra neste Largo que ainda não é (muito) bombardeado por turistas. Esta esquina, onde termina a Rua Nova da Trindade, é ornamentada por um par de edificios notáveis que estão para venda e um deles já se encontra em obras. Antes que o seu aspecto mude para sempre, bem como o seu uso que certamente será mais um hotel ou habitação para milionários, fica já no meu caderno.


E como achei mesmo piada a este recorte que o belo exmplar faz com o céu Lisboeta, fui ainda mais longe e fiz um detalhe... Sim eu fiz um detalhe e não, não bati com a cabeça em lado algum ;)

5 comentários:

Rosário disse...

Lindíssimo! Gosto da combinação do traço com zonas onde só existe mancha!

Mário Linhares disse...

Idade = peso é lindo! ahaha

Com que então achas que não fazes detalhes. Sim senhor...
Experimenta bater com a cabeça em algum lado, para ver o que acontece! ;P

Bruno Vieira disse...

Parece-me que tens de fazer mais das duas coisas, subir escadas e fazer detalhes. A parede branca destaca-se e funde-se com o resto, gostei.

André Duarte Baptista disse...

Excelente

Lurdes Morais disse...

Lindos como sempre. Olha que se deitares umas cores como bem sabes ao "detalhe"...