Nunca encontrei ninguém completamente incapaz de aprender a desenhar.

John Ruskin, intelectual inglês do século XIX


Pensamos que o Diário Gráfico melhora a nossa observação, faz-nos desenhar mais e o compromisso de colaborar num blogue ainda mais acentua esse facto. A única condição para colaborar neste blogue é usar como suporte um caderno, bloco ou objecto semelhante: o Diário Gráfico.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Aguarelas de Santa Cruz - Parte III - E porque não?...

Neste encontro eu era claramente aquele que menos anos tinha de aguarela e uma falta de experiência notória no que toca a conhecimento de técnicas, materiais e mais truques do género. No entanto, há uma coisa que eu sei, é que o papel comanda a vida neste meio. Podem ser muito talentosos e ter as melhores tintas mas no fim, tudo se resume à qualidade do papel VS tipo de trabalho que querem produzir. Os artistas deste encontro têm um beneficio fantástico, o acesso practicamente ilimitado a papel de aguarela, papel esse que anda sempre nos 300g/m², quase sempre de algodão e com dimensões que não se comparam a qualquer caderno que eu tenha visto por aí. 

 Era 3ª feira, dia 1 de Agosto e as actividades passavam pela cidade de Torres Vedras, em grande parte para a dar a conhecer aos artistas que até então tinham estado sempre em Santa Cruz. Após um passeio matinal por ruas que eu já desenhei vezes sem conta, sentei-me no Largo de Santo António com o Bruno e com a Ana Ramos (o núcleo dos Oeste Sketchers :) que também já teve uma dose considerável de desenhos (aqui). Puxei da caneta e preparei a folha gigante de 70x40 e pensei... "E fazer uma aguarela à aguarelista? Porque não?..." e nesse instante, troquei a caneta pelo lápis e fiz um desenho bem mais solto e menos detalhado que o normal.


Assim que comecei a lançar cores, voltei a ter a perfeita noção de que o papel faz mesmo toda a diferença. Este era um Arches de grão grosso e ver as cores misturarem e fazer efeitos extraordinários é um prazer quase indescritível. Não somos apenas nós que trabalhamos em aguarela, a água também trabalha connosco e é ela a principal responsável por uma aguarela extraordinária ou por mais uma folha para o "lixo" (nunca mandem desenhos fora, é apenas uma força de expressão). No fim, estava claramente satisfeito porque senti que tinha aprendido mais qualquer coisa...   

Para além de uma sala de trabalhos, este encontro dispões de uma galeria que serve apenas para a mostra de aguarelas feitas durante o mesmo. Assim que um artista termina um trabalho, ele coloca o seu trabalho na parede bem como um preço de venda ao público. Aqui estavam as minhas obras no final deste segundo dia de encontro, ao lado das fantásticas incursões "Banksyanas" do George Politis. No final da exposição e do encontro, esta minha aguarela passou a fazer parte da enorme e muito rica colecção de aguarelas do Concelho de Torres Vedras. Uma honra enorme poder servir a minha "casa" com o que mais gosto de fazer...

8 comentários:

Alexandra Baptista disse...

Parabéns, pelo excelente resultado e por tudo.

Celeste Vaz Ferreira disse...

Acho esta aguarela linda!
As cores são tão ricas e intensas que marcam são? Já agora se não for abuso que paleta?

L.Frasco disse...

Boa, Pedro!!
A tua conversa do papel descansa-me. Afinal a culpa das minhas é que o pael não é nada de especial. :D

Bruno Vieira disse...

O papel muda muito a aguarela mas primeiro a experiência, e tu, já estás um mestre, poucos tem esse controlo da luz e cor.

Marcelo de Deus disse...

E se tu mereces!!!!

Pedro Alves disse...

Muito obrigado antes de mais ;)

Luis: experimenta os novos da Winsor Newtom on o Canson Moulin du Roy e vais ver essas cores a saltarem do papel!
Celeste: As cores são Rembrandt mas sinceramente, se quer cores fortes, Winsor Newton profissionais; Daniel Smith ou Shminke Horadam, de tubo, não use pastilhas. Paleta eu uso sempre os Azuis cobaltos, ultramarinos e os amarelos cadmio mais alaranjado. Aqui também usei o Burnt Sienna, ocre e os opacos Vermelho Cadmio e Laranja. As sombras violetas são os azuis misturados com magenta e as sombras fortes levam o Indigo quase puro.

Sempre que tiverem duvidas, perguntem, estão mais que a vontade ;)

André Duarte Baptista disse...

Temos aguarelista :-) encerra com chave de ouro

Rosário disse...

Pois é temos desenhador, aguarelista! Tudo bom!